‘Pantera Negra é a antítese do esterótipo africano’, diz Wesley Snipes, que quase produziu o filme

Redação - O Estado de S.Paulo

Snipes contou um pouco sobre os desafios e a motivação da produção que tentou executar ainda nos anos 1990

O ator e produtor Wesley Snipes.

O ator e produtor Wesley Snipes. Foto: Toby Melville/Reuters

Às vésperas do lançamento do primeiro filme sobre o Pantera Negra, o ator e produtor Wesley Snipes, que estrelou Blade - O Caçador de Vampiros, falou sobre as motivações para adaptar os quadrinhos às telas de cinema ainda na década de 1990. Ele não conseguiu avançar com o projeto porque não encontrou diretor e roteirista apropriados. “Acho que Pantera Negra conversa comigo porque é uma antítese do estereótipo africano e suas histórias e reinos”, justificou ao The Hollywood Reporter

Criado em 1966 por Stan Lee e Jack Kirby, os quadrinhos do Pantera Negra foram revolucionários como a primeira história de uma super-herói negro. Também considerada uma comédia, a história abordava reis, riquezas e tecnologia. “Há um significado cultural e social, algo que nem a comunidade negra nem a branca viram antes”, avaliou Snipes.

"Muitas pessoas não sabem que houve períodos fantásticos e gloriosos de impérios africanos e realeza africana - Mansa Musa [imperador do Império do Mali da África Ocidental] e alguns dos homens mais ricos do mundo em comparação com a riqueza de hoje", Snipes explica.

Um dos limitadores nos anos 1990 foi a tecnologia disponível para a adaptação dos quadrinhos, e Snipes adianta que quer ver também outro tipo de tecnologia na produção prestes a ser estreada. “Será fantástico ver a África de um jeito diferente do que  ela é apresentada. Quero ver as glórias e a beleza africana”. 

O filme tem data de estreia prevista para 15 de fevereiro no Brasil e a direção é de Ryan Coogler (Creed: Nascido para Lutar, 2015). 

VEJA MAIS: Conheça algumas das franquias de entretenimento da Fox que passam para a Disney