'Paciente 63': Entenda a cronologia da 2ª temporada da audiossérie com Seu Jorge

Bárbara Correa - Especial para o Estadão

O criador, Julio Rojas, explica viagem no tempo dos novos episódios; confira o infográfico com os principais acontecimentos

Seu Jorge protagonista a audiossérie 'Paciente 63', de Julio Rojas

Seu Jorge protagonista a audiossérie 'Paciente 63', de Julio Rojas Foto: Bruno Poletti

A segunda temporada da áudiosserie Paciente 63 chegou no dia 8 de fevereiro, no Spotify, para abalar para sempre os conceitos sobre o tempo. Protagonizada por Seu Jorge e Mel Lisboa, a produção foi vencedora do Prêmio de Melhor Podcast de 2021 pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA).

Nos novos episódios, Paciente 63 mostra que a tentativa de Pedro de voltar de 2062 para 2022, na primeira temporada, não foi suficiente. Para salvar o mundo do perigoso vírus Pégaso, Elisa preciso viajar ainda mais ao passado, mais precisamente para 2012. Parece difícil de entender? 

Confira, abaixo uma lista com toda a cronologia da série e os principais acontecimentos desta viagem no tempo dos personagens. O criador e roteirista da áudiosserie, Julio Rojas, explica também alguns termos científicos e eventos que compõem essa história. Mas, cuidado! Contém spoilers.

Linha do tempo da história da nova temporada de 'Paciente 63'

Linha do tempo da história da nova temporada de 'Paciente 63' Foto: Spotify

  • O entrelaçamento, ou seja, a sucessão de encontros de pessoas em diferentes dimensões, rege a história. Elisa Amaral e Pedro Roiter se conhecem na linha do tempo de 2022 em que ela é a terapeuta psiquiátrica e ele, o paciente. Na linha do tempo alternativa em que se passa a segunda temporada, eles se encontram em 2012 como Beatriz e Vicente Correa: ela como paciente, e ele como terapeuta.
  • A paciente 0 é Maria Cristina Borges, irmã de Elisa Amaral, a primeira pessoa a contrair o Pégaso. Ela que pode propagar o vírus se embarcar no voo com destino a Madrid, em 2022, para visitar sua amiga. Na linha do ano de 2012, Maria Cristina é filha de Vicente Correa. Por isso, quando Elisa retorna a 2012 como Beatriz, o seu objetivo é impedir que Maria conheça a amiga que vai lhe fazer embarcar no tal voo. 
  • 2023 é o ano em que o vírus Pégaso irá se espalhar pelo mundo destruindo aos poucos a humanidade, caso a missão não seja cumprida por Beatriz, em 2012.
  • Eventos como Egrégora, entidade reguladora do comportamento social, Expurgo de Berlim, fim das redes sociais, Grande Remoção, todos os dados da nuvem são apagados, e a descoberta histórica da Colônia em Marte acontecem até 2050, apontado como o início do fim do mundo.
  • 2062, apontado como o ano do “fim do mundo”, é de onde vem Pedro Roiter, o misterioso paciente 63. Voltar ao passado para ele é sinônimo de cumprir uma missão para salvar o futuro da humanidade.
  • As viagens no tempo de Elisa Amaral (de 2022 para 2012) e de Pedro Roiter (de 2062 para 2022) são possíveis pela Teoria do desdobramento do tempo e do espaço criada pelo Doutor em Física Jean-Pierre Garnier Malet, em 1966, e pelo vórtice, ponto em que duas energias culminam em um ponto comum.
  • Na teoria, o tempo é contínuo e as pessoas também estão no futuro e certos ecos de seus atos podem ser registrados por meio dos sonhos. O vórtice se explica pela teoria dos universos múltiplos que especula que, toda vez que se toma uma decisão, o universo se divide e a pessoa segue uma linha e o outro eu dela continua em outra linha, uma espécie de clonagem do universo. Mas, antes que as linhas se abram, há um ponto zero, cheio de potencial: o vórtice.
  • Em 2012, Beatriz consegue recuperar as memórias de sua vida na outra linha do tempo com a ajuda de uma melodia. O autor inseriu este fato na história devido aos efeitos comprovados em estudos científicos sobre a forma que a música reage nos cérebros de pacientes com Alzheimer.
  • Na áudiossérie, Pedro mostra a música para Elisa em 2022. Em 2012, Gaspar Marín, o homem que finge ser marido da protagonista para ajudá-la a sair da instituição psiquiátrica, é quem reproduz o som para que ela ative as memórias. Para conseguir convencer Vicente de que eles já se conhecem de outros tempos, Beatriz mostra a mesma música para ele, que é uma composição que o próprio Vicente criou em anos passados para sua ex-esposa.
  • Na segunda temporada, se explica a maneira de receber informações do futuro com base em páginas de ruído branco (white noise) e eventos aleatórios, e são mencionados testes criptográficos enigmáticos e reais que são expostos na internet para que poucos possam resolvê-los. Por esta razão, Gaspar Marín só consegue descobrir o conteúdo (a melodia) vindo do futuro, que recebeu no passado, quando Elisa retorna para 2012 como Beatriz.
  • Na linha temporal de 2012, é revelada a existência dos semeadores, considerados viajantes do tempo invisíveis que sussurram possíveis soluções e mensagens entre as linhas do tempo. Será que grandes invenções e soluções revolucionárias de problemas reais não são ecos de viajantes vindos do futuro, "soprados" ao pé do ouvido de pessoas que podem criar grandes coisas? Este misterioso elemento também é explorado na segunda temporada.
  • Os materiais sobre viagem no tempo e ficção científica apresentados para Beatriz por Gaspar Marín em 2012 são o que a ajudam a entender o que ela precisa fazer para seguir o plano de salvar a humanidade. Beatriz descobre nesta linha temporal que é uma aficionada por livros e obras de ficção científica e o autor da áudiossérie revela que foi isso que, no futuro, a fez ser convencida por Pedro Roiter sobre a existência de várias linhas temporais.