Neguinho da Beija-Flor: 'Eu amo o Brasil, eu não estou querendo ir'

Redação - O Estado de S.Paulo

Sambista, que perdeu neto recentemente, afirmou que sua preocupação, e da esposa, é com a filha

Em entrevista para 'Altas Horas', Neguinho da Beija-Flor fala sobre a morte do neto 

Em entrevista para 'Altas Horas', Neguinho da Beija-Flor fala sobre a morte do neto  Foto: Reprodução/ Globoplay

Neguinho da Beija-Flor falou sobre a morte do neto Gabriel Ribeiro Marcondes, que morreu após ser baleado durante um baile funk, no Altas Horas, exibido neste domingo, 1.

Ao começar o assunto, Serginho Groisman classificou como "morte brutal" o que aconteceu com o jovem de 20 anos. Em seguida, o apresentador da Globo questionou o sambista sobre sua intenção de morar fora de sua terra natal. 

O artista não respondeu ao questionamento diretamente e, em um primeiro momento, falou sobre as dificuldades de se criar filhos e sobre o racismo. "Criar filho no Brasil com essa violência, principalmente, sendo negro... Eu já tive um filho baleado na porta da faculdade há vinte anos", contou o sambista de 71 anos. "Uma blitz na esquina tem dez parados, um é pretinho, a primeira coisa que a blitz vai atingir é o pretinho, depois vai revistar os outros", complementou.

Serginho comentou que Neguinho sempre teve reconhecimento no samba por ser um ambiente acolhedor e inclusivo, mas perguntou se o artista já tinha sofrido racismo em outros lugares. "Já teve pessoas que trocaram de lugar no avião. Foi lá cochichou com na comissária e não tinha outro lugar. Você vê que vai ali na viagem todo mal humorado", relatou.

Então, o sambista voltou a pergunta sobre morar em outro país. "Eu amo o Brasil, eu não estou querendo ir para Portugal ou Itália, que eu tenho amigos na Itália. Minha filha. Eu vou atendendo o pedido da minha esposa:'eu quero minha filha estudando fora'", explicou Neguinho da Beija-Flor mencionando sua caçula, negra e de 12 anos.