'Não quero que o legado do Blink-182 seja arruinado', diz Tom DeLonge

- Bang Showbiz

Músico comentou sobre sua saída da banda californiana e admitiu ter ficado com raiva

 

  Foto: Bang Showbiz

O ex-vocalista do grupo de pop-punk não tem mágoas de seus ex-colegas Travis Barker e Mark Hoppus, que decidiram seguir em frente com o Blink-182 com o novo cantor Matt Skiba - ex-Alkaline Trio. No entanto, não quer que a história da banda seja arruinada pelo que virá nesta nova fase.

"Eu amo esses caras. A única coisa que penso é que quero que eles sejam felizes. Mas eu não quero que o legado da banda seja arruinado. Eu me importo, sim, com isso. Eu não quero um legado incrível estragado", declarou.

A saída de Tom DeLonge do Blink-182 teria acontecido quando Travis e Mark planejaram voltar ao estúdio e fazer um novo disco em janeiro de 2015, porém receberam um e-mail do empresário de Tom dizendo que "ele não tinha interesse de gravar e queria fazer outras coisas".

Já Tom alega que lhe foi entregue um "contrato de 60 páginas", dizendo que o LP teria de ser concluído em seis meses e que os músicos seriam proibidos de liberarem canções de projetos paralelos.

O guitarrista, de 40 anos, ainda se sente magoado em relação à sua "expulsão", mas não deixará que isso afete o progresso de sua própria carreira com a banda Angels & Airwaves.

Em entrevista à revista Rolling Stone, ele disse: "Se eles tivessem vindo e falado 'Ei, você está realmente ocupado agora. Nós gostaríamos de fazer algo agora, talvez deveríamos pôr alguém em seu lugar' ou algo assim, eu provavelmente teria ficado bem com isto". E acrescentou: "Eu não trabalho com ego. Isso não me define. É estranho e constrangedor? Faz parte de mim ficar chateado. Totalmente. Mas isso não vai me consumir. Porque eu sou mais que isso".

 

Leia também no E+:

Após revelar traição em música, Beyoncé se declara ao marido

Rita Ora se defende de boatos sobre caso amoroso com marido de Beyoncé