'Minha mãe chorou quando comecei a gravar', revela Lady Gaga sobre novo álbum

- O Estado de S.Paulo

Artista também comentou sobre como não é fácil ser uma mulher nos dias de hoje

Foto: Reprodução / Instagram

A cantora Lady Gaga afirmou recentemente que compartilha as mesmas dores de várias mulheres espalhadas pelo mundo, e que isso a destrói.

"Muitas mulheres, não importa a raça, cor ou religião, passam pelos mesmos problemas com homens, corpos e mentes. Elas se fecham, uma vez que não se sentem ouvidas. Não é fácil. Sei que isso está me destruindo", refletiu a cantora.

A cantora contou que trata de questões como esta na canção 'Joanne' de seu novo álbum, uma homenagem à irmã de seu pai, morta por lúpus. "Esta música é sobre um amor incondicional que as mulheres deveriam ter umas pelas outras", disse ao Sunday Times.

"É bastante simples: gostaria que as mulheres ouvissem a música, e quando elas entrarem num bar e se depararem com uma garota que nunca encontraram, digam: 'Ei, garota!', e isso significa: 'Eu sei. Estamos neste bar, e estes homens são tolos, mas eu tenho você", explicou a cantora, que se disse determinada a promover o feminismo, e que não apoia a briga entre mulheres.

A cantora também falou sobre seu novo disco: "Estou mais velha e em um estado forte da realidade, tentando, com declarações de positividade e amor, falar de uma forma que não é muito ingênua. Talvez, de uma forma que as pessoas que vivem neste mundo possam se identificar com o que estou dizendo, em oposição ao sentimento de que é pretencioso...". 

"É sobre o uso de palavras, e permitir que a dor que eu sinto exista no álbum, e não escondê-la. Direi isso: minha mãe chorou quando eu comecei a gravar. Eu perguntei: 'O que há de errado?', e ela disse: 'Há tanta dor em sua voz agora'", finalizou.