Marcius Melhem diz que vai à Justiça contra Dani Calabresa e advogada

Redação - O Estado de S.Paulo

'Sou uma pessoa que já está condenada pela opinião pública', afirmou ex-chefe do humor da Globo, que enfrenta diversas acusações de assédio sexual e moral

Marcius Melhem

Marcius Melhem Foto: João Cotta / Globo / Divulgação

O ator Marcius Melhem, ex-chefe do humor da Globo e acusado de assédio sexual e moral, falou em entrevista publicada pelo Uol neste sábado, 5, que pretende interpelar Dani Calabresa na Justiça e também processar Mayra Cotta, advogada que representa parte das vítimas.

Em suas primeiras declarações públicas após a recente repercussão de uma reportagem publicada pela revista Piauí na última sexta, 4, com novos detalhes das acusações, Melhem se recusou a falar sobre "intimidades" e negou parte das denúncias, como a de que teria "roçado seu pênis ereto" ou "exposto a sua genitália" a atrizes.

'Ainda estou entendendo meus erros'

"Fui um homem tóxico, um marido péssimo, uma pessoa que cometeu excessos em se relacionar com pessoas dentro do seu próprio ambiente de trabalho, coisa que eu não via problema, mas, hoje, eu entendo todas as nuances que isso pode ter", afirmou.

"Entendo que, como homem, eu feri pessoas, magoei pessoas, traí, fui 'galinha'. Tudo isso foram erros meus [...] Mergulhei na minha propria lama para entender - e ainda estou entendendo - os meus erros."

"Eu agradeço muito às pessoas que não me 'cancelaram', mulheres, amigas que se dispuseram a me ensinar. Minha ex-mulher, cara... Eu traí ela várias vezes... Foi muito doloroso para mim. [...] Sentei com a minha ex-mulher e contei tudo."

"Em cima dos meus erros e das coisas que efetivamente eu fiz, tem muita coisa sendo falada que é mentira, que eu de forma alguma fiz. E isso eu preciso combater", continua Marcius Melhem.

VEJA TAMBÉM: Personalidades que já se envolveram em casos de assédio ou abuso sexual

https://www.instagram.com/p/BPYs0c9lVrA/ / Globo/Paulo Belote / Epitácio Pessoa/AE
Ver Galeria 22

22 imagens

Processo de Melhem contra advogada

O ator fez críticas a Mayra Cotta, que representa um grupo de pessoas que teriam sofrido os assédios por parte de Marcius Melhem. 

"Estou processando a advogada, dra. Mayra Cotta. Desde ontem entrei com um processo contra ela para que prove o que ela diz sobre mim, sobre as condutas violentas que ela diz que eu tive", diz.

"A pessoa que acusa não pode escolher a pena do acusado. A pessoa que me acusa de assédio sexual não pode escolher que a minha pena é a execração pública e pronto. Isso é o fim do estado democrático de direito, o descrédito completo da Justiça", reclama o humorista.

"Eu sou uma pessoa que já está condenada pela opiniao publica. Ja fui condenado sem que haja uma vitima que se assuma minha vitima e nenhum processo na justica.[...] Passei de acusado a condenado sem ser julgado", continua.

Até a última sexta-feira, 4, ainda não havia inquérito penal tramitando em relação ao caso na Justiça, apenas a investigação interna feita pela Globo.

O Estadão buscou contato com Mayra Cotta a respeito das novas declarações de Marcius Melhem, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem. 

'Estou interpelando a Dani Calabresa'

Melhem também falou sobre sua relação com Dani Calabresa, que na última sexta, 4, falou pela primeira vez sobre a repercussão do caso e destacou: "É impressionante a luta que uma mulher precisa travar para provar que é vítima. Denunciem!"

"Nunca quis ser vista como uma mulher assediada, mas para recuperar minha saúde precisei me defender. Nunca procurei a imprensa. Tomei as medidas cabíveis para conseguir ajuda", disse a atriz.

"Estou interpelando a Dani Calabresa para que ela confirme ou desminta o teor da matéria da Piauí, porque eu e ela sabemos que aquilo ali não aconteceu. Eu sou a pessoa mais interessada que tudo isso seja esclarecido", afirmou Marcius Melhem.

"Quero acreditar que a Dani Calabresa sabe que aquilo ali não aconteceu. E é por isso que eu estou interpelando ela. Eu tenho, como ela também tem, toda a comunicação que tivemos durante esses anos. É impossível aquilo ter acontecido e a gente ter, durante dois anos a partir dali, a relação que a gente teve de amizade, carinho, parceria profissional."

O Estadão buscou contato com a equipe de Dani Calabresa a respeito das novas declarações de Marcius Melhem, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem. 

'Assédio moral é terreno subjetivo', diz Melhem

Marcius Melhem também abordou as acusações de assédio moral. "O assédio moral é o terreno mais subjetivo que existe. Você pode falar sinceramente uma coisa para alguém, 'o seu texto está ruim', e a pessoa achar que é uma ofensa, uma forma errada de dizer. Não sei o que eu posso ter falado que se traduza como assédio moral", disse.

Demora em se pronunciar

Sobre sua demora em falar, Melhem explicou: "Demorei um ano para falar porque, antes de tudo, eu queria entender por quê isso estava acontecendo comigo, como, e o que eu poderia ter feito que tivesse causado algo desse tipo."

"Num segundo momento, tive que me ausentar do país para operar minha filha no exterior. Na volta ja aconteceram essas denuncias, sempre através da jmprensa, que me expuseram como um abusador serial, violento". 

"Depois de um ano, consigo entender que tudo que aconteceu e está acontecendo comigo, aconteceu a partir dos meus erros. Hoje eu entendo que tive comportamentos, atitudes, que nao cabem mais", concluiu. 

Em outro momento, Marcius Melhem afirmou: "Existe nesse grupo processos de vingança contra mim. Pessoas que se sentiram despretigiadas no trabalho, que perderam lugar em programas que queriam estar, com medo, isso tudo existe".

VEJA TAMBÉM: Artistas que sofreram abusos ou assédios e falam abertamente sobre isso

Wilton Junior / Estadão | Danny Moloshok / Reuters
Ver Galeria 18

18 imagens

Entenda as acusações de assédio a Marcius Melhem

As primeiras denúncias surgiram no fim de 2019, e foram negadas por Melhem. O nome de Dani Calabresa foi citado entre as denunciantes, em postagem feita pelo jornalista Leo Dias na ocasião.

Em março de 2020, ele se afastou do comando do humor da emissora, e também de suas funções como roteirista e ator, alegando a necessidade de acompanhar tratamento de saúde de sua filha.

O período inicial de licença seria de quatro meses. Em vez de retornar, porém, Marcius Melhem teve seu contrato com a emissora encerrado após 17 anos. No comunicado final, a emissora destacou sua "importante contribuição para a renovação do humor" e não citou as acusações de assédio, o que teria gerado insatisfação em alguns artistas que acompanharam o caso internamente.

Em 24 de outubro, uma reportagem da Folha, trouxe entrevista com a advogada Mayra Cotta, que assessora um grupo de artistas que endossam as acusações contra Marcius Melhem. O nome de Dani Calabresa ainda não havia sido confirmado, até então.

"Houve um comportamento recorrente, de trancar mulheres em espaços e as tentar agarrar, contra a vontade delas. De insistir e ficar mandando mensagem, inclusive de teor sexual, para mulheres que ele decidia se iam ser escaladas ou não para trabalhar, se ia ter cena ou não para elas. De prejudicar as carreiras de mulheres que o rejeitaram. De ficar obcecado, perseguindo, mesmo. Foi um constrangimento sistemático e insistente, muito recorrente", relatou, à época.

Pouco depois, em seu Twitter, Marcius Melhem se manifestou publicamente sobre as acusações pela primeira vez (clique aqui para ler a íntegra). "Diante de acusações tão graves, que de forma alguma cometi, o que eu posso fazer? Negar. Coloco à disposição toda minha comunicação que tenho arquivada, com qualquer pessoa que tenha trabalhado ou se relacionado comigo nesses anos", afirmou.

"Mas, mesmo abraçando profissionalmente a causa feminista, ainda combato o machismo dentro de mim, erro, posso ter relações que magoem. Tento melhorar e aprender. E queria muito falar sobre isso", disse, em outro momento. 

Na sexta-feira, 4 de dezembro, a revista Piauí publicou novos detalhes sobre o caso, após ter colhido depoimentos de 43 pessoas, entre vítimas e testemunhas, muitas das quais na condição de anonimato. Entre os relatos, há detalhes dos supostos assédios que teriam sido praticados por Melhem e relatados ao compliance da emissora, incluindo os que teriam sido feitos por Dani Calabresa.

Também há relatos de medidas que teriam sido tomadas por funcionários da Globo em relação à situação, como uma sugestão de que Marcius Melhem fizesse terapia após uma acusação.

Além de Dani Calabresa, outros nomes, como Marcelo Adnet e Maria Clara Gueiros também fizeram postagens nas redes sociais após a repercussão da reportagem recente sobre o caso de Marcius Melhem.