Manu Gavassi critica própria capa da VIP e reclama de edições exageradas

- O Estado de S.Paulo

'Quase não me reconheci', declarou a cantora

Foto: Reprodução/ Instagram

Manu Gavassi não está contente com sua capa da revista VIP: pela segunda vez a cantora foi a público para dizer que o uso do Photoshop em sua foto foi exagerado. "Quase não me reconheci", escreveu.

Na quarta-feira, 27, Manu respondeu a uma fã no Twitter que a questionou de onde vinham as coxas grossas na foto da edição de maio da VIP. "Do Photoshop deslavado que é essa capa", escreveu a cantora. Logo depois, a cantora lançou a hashtag #MeSintoLindaComoSou. 

Para mostrar como seu corpo é de verdade, Manu tirou fotos sem blusa e postou em seu Instagram. Na legenda, ela expressou sua indignação com as mudanças em sua aparência. "Venho lançar a minha VIP fazendo uma crítica. Sim, estou boicotando minha própria capa porque quase não me reconheci com tanto photoshop. Não pareço uma garota real, pareço um boneco de cera. E se era pra eu me sentir bonita, poderosa e natural em uma capa dessas, eu me sinto o contrário", escreveu na legenda."

A cantora publicou novas fotos de seu ensaio e fez questão de ressaltar que não há nenhum tipo de edição nelas. Além disso, Manu também tem usado a hashtag #MeSintoLindaComoSou para incentivar outras meninas a publicarem fotos naturais.

 

Venho lançar a minha VIP fazendo uma crítica. Sim, estou boicotando minha própria capa porque quase não me reconheci com tanto photoshop. Não pareço uma garota real, pareço um boneco de cera. E se era pra eu me sentir bonita, poderosa e natural em uma capa dessas, eu me sinto o contrário. Desde criança nós meninas somos submetidas a uma chuva de padrões de beleza, eu mesma não me aceitei por muito tempo. Por isso, penso que como modelo para o público jovem e com mais de 10 milhões de seguidores nas redes sociais, se eu não puder falar abertamente que esse tipo de padrão é uma mentira, é irritante e fora de moda, então não sei pra que eu tenho voz, nem seguidores. Foi por conta dessas pessoas que resolvi me posicionar quando fui questionada sobre porque estou tão diferente na capa, e recebi em poucos minutos mais de 3 mil fotos no Twitter de meninas, meninos, mulheres, transexuais, homens, drag queens, com a hashtag #MeSintoLindaComoSou. Fiquei honrada de poder saber um pouco mais da história dessas pessoas incríveis. Pensando nisso e na Manu Gavassi de 15 anos que se sentia um patinho feio, e olhando agora essa minha capa, resolvi fazer o meu próprio ensaio sensual com uma fotógrafa que além de ser uma das minhas melhores amigas é uma das mulheres que mais admiro @maqui.nobrega. Fotografamos na minha casa, de manhã, com pouca maquiagem e sem retoque nenhum, do jeito que me sinto mais linda e confiante (foto da direita) bem diferente da robô editada tentando ficar confortável em um maiô, sem poder de escolha sob sua própria imagem, como na foto da esquerda. Isso não é ser linda e sexy. Pra mim ser linda é acordar descabelada e se amar, é amar suas curvas e seus ossinhos, ser linda é sorrir sem motivo, é ser feliz, é não precisar impressionar ninguém nem se desesperar pra se encaixar em padrões surreais, é ser inteligente. É ser especial com seus defeitos e qualidades. É ser você. Você tem o direito de se sentir linda. Depois de anos sofrendo pra que a minha imagem agrade as pessoas e a mim, anos tentando ser parecida com capas de revista, percebo que ser linda e sexy na vida real é o oposto disso. ❤️ #MeSintoLindaComoSou

A photo posted by Manu Gavassi (@manugavassi) on

 

Leia também no E+:

Aguardando pelo nascimento do primogênito, Adam Levine confessa estar impaciente

'Não quero que o legado do Blink-182 seja arruinado', diz Tom DeLonge