Lorde conta como a sinestesia a ajudou a compor músicas

Redação - O Estado de S.Paulo

Distúrbio neurológico faz com que o estímulo de um sentido cause reações em outros sentidos

Para Lorde, cada canção tem uma cor correspondente. 

Para Lorde, cada canção tem uma cor correspondente.  Foto: REUTERS/Carlo Allegri

A cantora Lorde tem sinestesia, um distúrbio neurológico em que um estímulo sensorial causa reações em outro sentido. No caso da cantora, toda vez que ouve um som, ela associa a uma cor - ou seja, sua sinestesia é a combinação de audição e visão.

Num perfil publicado no The New York Times, Lorde falou sobre a condição e como isso influencia em suas músicas. "Do momento em que eu começo algo, eu consigo ver a música finalizada, mesmo que esteja longe e nublado. É sobre conseguir uma coisa que soe igual ao que eu vi", escreveu.

Em seu novo álbum, Melodrama, cada música tem uma cor correspondente e os diferentes tons descrevem temas diferentes. "Uma música sobre festejar ganha uma certa cor, mas pode haver músicas tristes, e elas também ganham suas próprias cores", disse.

Justamente por conta de seu processo criativo, a mesa da cozinha da casa de Lorde e uma parede viraram um mapa de cores, para que ela possa relacionar as músicas às cores de forma mais fácil.  Outros artistas como Pharrel Williams e Dev Hynes também têm alguns tipos de sinestesia.