Live de Jorge e Mateus recebe críticas por 'aglomeração de pessoas'

Redação - O Estado de S.Paulo

Dupla transmitiu show ao vivo de sua garagem, mas internautas criticaram presença de mais de uma dezena de profissionais nos bastidores da produção

Garçom serve Jorge e Mateus durante live e, ao lado, aparece em foto nos bastidores da transmissão ao vivo.

Garçom serve Jorge e Mateus durante live e, ao lado, aparece em foto nos bastidores da transmissão ao vivo. Foto: YouTube / @Jorge & Mateus Oficial | Instagram / @caseratto_

A dupla sertaneja Jorge e Mateus chamou atenção na noite de sábado, 4, ao realizar uma live com cerca de 4h30 de duração que chegou a ter mais de 3 milhões de espectadores ao vivo no YouTube, motivada pelas preocupações com a pandemia do novo coronavírus.

a apresentação chegou a contar com uma 'participação' do ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta para falar sobre isolamento social (leia mais aqui).

Segundo a dupla, mais de 3 milhões chegaram a acessar o vídeo ao vivo simultaneamente. Até a publicação desta matéria, o arquivo da live, que fica disponível no YouTube após seu término, conta com 35,6 milhões de visualizações.

Jorge e Mateus ainda alegam ter arrecadado "172 toneladas de alimentos, 10 mil frascos de álcool gel e 200 cursos para área da saúde".

Críticas à live de Jorge e Mateus

Chamou atenção de parte do público, porém, uma foto postada pelo restaurante que ajudou na produção e postou a imagem do bastidor da live em seu Instagram. Nela, é possível ver mais de 10 pessoas trabalhando para que o vídeo fosse ao ar.

O fato gerou diversas críticas nas redes sociais, com internautas criticando a postura da dupla em promover uma certa aglomeração de pessoas em tempos de isolamento social.

O E+ entrou em contato com a assessoria de Jorge e Mateus questionando sobre as críticas, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

Confira abaixo algumas das reações:

Confira a íntegra da Live Na Garagem, de Jorge e Mateus:

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia