‘Liga pra polícia. Não adianta ficar remediando’, diz Luciana Gimenez sobre abuso

Laila Nery - ESPECIAL PARA O ESTADÃO

A apresentadora revelou que já foi vitima de abuso psicológico e pediu que os seguidores ficassem de olho em pessoas vulneráveis

A apresentadora Luciana Gimenez usou seu Instagram para falar sobre relacionamentos abusivos.

A apresentadora Luciana Gimenez usou seu Instagram para falar sobre relacionamentos abusivos. Foto: Denise Andrade / Estadão

A apresentadora Luciana Gimenez abriu o seu Instagram para falar sobre abusos sexuais, físicos e psicológicos nesta quinta-feira, 17. Na rede social, ela desabafou sobre um relacionamento abusivo que viveu e pediu que os seguidores ficassem atentos com crianças e pessoas em situação de vulnerabilidade.

“Todo mundo olha para mim e acha que a minha vida é perfeita, não é assim. Eu já estive num relacionamento que não era amoroso, mas era um relacionamento abusivo. Durante anos! E eu não sabia!”.

Luciana contou sobre sua própria experiência e sobre o quanto teve dificuldades em reconhecer que ela estava vivendo essa relação abusiva. Nem sempre esse tipo de relacionamento é amoroso. No caso da apresentadora, ela demorou muito para perceber que estava precisando de ajuda psicológica e orientou que ao primeiro sinal, a vítima deve buscar ajuda.

“Muitas vezes a vítima não sabe e nem consegue discernir que está sofrendo um abuso e acha que ela é culpada, que fez alguma coisa de errado e tem vergonha de contar. Primeiro precisamos discernir e saber que está sofrendo um abuso, seja psicológico ou físico”, disse Luciana nos Stories. “Procure um amigo, um profissional, uma pessoa que possa te dar carinho ou um colo. Procure um profissional que possa te ajudar a ter uma visão macro da situação.”

Ela ainda lembrou os seguidores sobre a obrigação dos condomínios em denunciar casos de violência doméstica em São Paulo. No estado, o PL 2510/20 obriga funcionários, moradores e síndicos de condomínios a entrar em contato com as autoridades em casos de violência doméstica e familiar contra a mulher nas dependências do condomínio, incluindo os casos onde a violencia acontece no interior das casas e apartamentos. 

“Tem uma lei no estado de São Paulo que se você é zelador ou síndico de um prédio e ouvir alguém gritando, ou souber de algum tipo de abuso físico, você é obrigado a contactar as autoridades. E eu quero pedir a você que está me assistindo agora: se você souber de alguém que está indefeso sofrendo abuso, você precisa ficar de olho. Precisamos proteger as crianças e os mais fracos. Liga pra polícia. Isso é caso de polícia, não adianta ficar remediando”, pediu Luciana.