Leonardo DiCaprio é processado por não fazer pesquisa 'correta' de personagem

Redação - O Estado de S.Paulo

Segundo Andrew Greene, os eventos do filme ‘O Lobo de Wall Street’ são mentirosos e causaram danos à sua imagem

Leonardo DiCaprio é um dos processados por um ex-diretor da Stratton Oakmont que afirma que o ator não fez uma pesquisa 'correta' para montar seu personagem no filme 'O Lobo de Wall Street'

Leonardo DiCaprio é um dos processados por um ex-diretor da Stratton Oakmont que afirma que o ator não fez uma pesquisa 'correta' para montar seu personagem no filme 'O Lobo de Wall Street' Foto: Lucas Jackson/Reuters

Um ex-executivo da Stratton Oakmont, empresa que foi retratada no filme O Lobo de Wall Street, está processando o ator Leonardo DiCaprio e os produtores do longa por difamação. Andrew Greene, que foi o diretor jurídico da empresa nos anos 1990, entrou com a ação em 2014 afirmando que o personagem Nicky ‘Rugrat’ Koskoff (interpretado por P.J. Byrne) foi inspirado nele e que os crimes que ele comete no filme refletem negativamente na sua imagem.

Na última segunda-feira, 5, a revista The Hollywood Reporter obteve os depoimentos de DiCaprio e dos produtores. A defesa de Greene está argumentando que os atores e produtores fizeram uma pesquisa mal feita e, portanto, o que foi refletido no filme não condizia com a realidade.

“Eu fiz um tour de Wall Street, li o livro e observei as pessoas que andavam pela rua. Fora isso, não me lembro de mais nada”, disse DiCaprio no depoimento, explicando como estudou o personagem que interpretou no longa, Jordan Belfort, então presidente da empresa. Em seu depoimento, Martin Scorsese, diretor do filme, afirma que não conversou com ninguém que era da companhia e baseou seu roteiro em um livro escrito pelo próprio Jordan Belfort.

A defesa de Greene afirmou que Jordan Belfort tem má reputação e tendência em contar mentiras. Poranto, seu livro seria uma má interpretação dos fatos. Os advogados ainda afirmam que, como ninguém que trabalhou na empresa foi consultado, o roteiro é falho e sujeito a cometer difamações e injúrias contra as pessoas nas quais os personagens foram inspirados.

Se os argumentos de Greene forem aceitos pela juíza, o caso deve ir a julgamento ainda neste ano. Juristas procurados pela revista acreditam que a indústria cinematográfica pode mudar completamente caso ele ganhe a ação.