Karol Conká lança clipe com equipe de vôlei: 'Pensei nas jogadoras como heroínas do cotidiano'

Hyndara Freitas - O Estado de S.Paulo

A rapper foi responsável pela composição da música e o clipe tem direção de KondZilla

Karol Conká lança clipe com equipe de vôlei com música sobre empoderamento feminino. 

Karol Conká lança clipe com equipe de vôlei com música sobre empoderamento feminino.  Foto: Divulgação/João Neto/FotoJump

Na última quarta-feira, 18, a rapper Karol Conká lançou o clipe de O Rolê É Nosso, em parceria com o time de vôlei Nestlé, time feminino de Osasco (SP). Com letra empoderadora, a música trata do poder da mulher e da força da coletividade. 

"Foi gostoso e foi desafiador. Eu acho que a música e o esporte estão ligados, eles têm uma união fantástica. Eu pensei muito nas meninas como heroínas do cotidiano, tanto as meninas do esporte mais conhecido, como aquelas que não são do esporte público, para que elas se sintam também verdadeiras heroínas", disse Karol ao E+ durante evento de lançamento do clipe.

O clipe foi gravado junto com toda a equipe do vôlei, e algumas cenas foram feitas no próprio ginásio de Osasco, onde o time treina. No vídeo, as jogadoras aparecem com maquiagens coloridas, roupas cheias de brilho e salto alto, bem diferente do que o público que assiste às partidas de vôlei está acostumado a ver. 

"Foi muito legal ver as meninas usando maquiagem, salto alto, aquelas unhas coloridas, aqueles cabelos diferentes, porque elas não estão acostumadas. E elas me fizeram tentar jogar a bola também, mas não deu muito certo. Foi uma troca bem legal", contou Karol. O clipe foi dirigido por KondZilla, conhecido por produzir clipes de funkeiros, como o mais recente hit Deu Onda, do MC G15.  

Karol é hoje um dos principais nomes femininos no rap, mas contou que chegar aqui não foi fácil e que ainda há uma grande resistência a mulheres no gênero. "É desafiador, e ao mesmo tempo excitante para mim que gosto de desafios, mas é ainda é um lugar restrito. São pouquíssimas que têm destaque, e elas só recebem um respeito mesmo da maioria quando ela prova, sozinha, que foi e fez e que não depende de ninguém específico, alguém 'de nome' para alavancar a carreira dela", revela.

E a carreira de Karol certamente alavancou. Além de muitos shows, clipes e ações relacionadas à música, também tem trabalhos na televisão. Ela participou do Saia Justa no ano passado e, neste ano, vai comandar o SuperBonita, no GNT, no lugar de Ivete Sangalo. Ela contou que as gravações começaram na última terça-feira, 17, em ritmo intenso. "Eu gosto muito, estou preparada para isso, só é muita correria, falta de dormir, mas, fora isso, estou adorando", disse ela.

Ela ainda acredita que é muito positivo ser uma mulher negra apresentando um programa de beleza: "É uma responsabilidade grande, há meninas que se espelham em mim, então é uma bagagem muito grande. Eu gosto de perceber que rolou um avanço. Gosto de focar na solução, no que já foi conquistado. Tem muita coisa para conquistar ainda, mas já melhorou". 

'O mundo é meu, eu sonho, eu faço, eu posso', dizem alguns trechos da música. A cantora acredita que essa ideia de força é justamente o que a fez ser a escolhida para o clipe. "Eu passo uma mensagem de força, luta, superação nas minhas músicas e no comportamento, tenho essa intenção de reeducação cultural, então acho que por isso me escolheram. Colorido, diversificado, esse é o público brasileiro, e Karol Conká tem disso, um pouquinho de cada canto", acredita. 

Ela espera que suas músicas e suas ações levem ao jovem uma mensagem de empoderamento. "Eu espero que as pessoas, ao ouvirem as músicas, tenham mais empatia com nós mulheres. Entender que o rolê realmente é nosso", finaliza.