Juliana Alves revela os preparativos para ser rainha de bateria

Luiza Pollo - O Estado de S.Paulo

Atriz desfila pelo quinto ano na Unidos da Tijuca e dá dicas para quem vai passar o carnaval fora da avenida

  

   Foto: Divulgação

A atriz Juliana Alves volta à Sapucaí em 2017, pela quinta vez como rainha de bateria da Unidos da Tijuca. Atualmente ela trabalha duro para conciliar os ensaios semanais da escola com as gravações da novela Sol Nascente, da rede Globo.

Juliana conversou com o E+, revelou como está se preparando para o próximo carnaval e ainda deu dicas de seus lugares preferidos para curtir a festa fora da avenida. 

Quando começam seus preparativos para o carnaval?

Eu começo a frequentar a quadra da escola quando recomeçam os ensaios para o carnaval. Em agosto eu já comecei com a escola e tenho frequentado a quadra quase semanalmente. Gosto muito, então só perco realmente por conta do trabalho, mas a ideia é frequentar todas as semanas.

Como você está conseguindo conciliar as gravações de Sol Nascente com os ensaios?

Por enquanto eu gravo mais cenas diurnas do que noturnas. Minha personagem é bastante diurna. Mas, como ela mudou a vida, não sei o que me espera. Neste ano é uma novidade estar na produção de uma novela ao mesmo tempo. Eu normalmente estou trabalhando, mas coincidia de não estar gravando uma novela. O que está ficando mais puxado é que não é só ir ao ensaio, tem toda uma pré-produção para estar no ensaio, por ser rainha de bateria, e as divulgações da escola. São ensaios fotográficos, detalhes do desfile, várias pautas. Eu me envolvo muito nas atividades da escola em si. Quando posso, gosto de frequentar também a escola mirim.

Juliana Alves como rainha de bateria da Unidos da Tijuca em 2016

Juliana Alves como rainha de bateria da Unidos da Tijuca em 2016 Foto: Divulgação/Juliana Alves

Como é a sua preparação física para o carnaval?

Específica mesmo para o carnaval eu estou começando agora. Eu gosto de manter o corpo em movimento, faço atividades regulares, mas não sou muito de malhação, de academia. Tem um circuito funcional que eu costumo variar e às vezes dá para fazer em casa. Faço também exercício aeróbico na orla e agora vou começar um trabalho mais intensivo e específico, mais puxado para a intensidade do carnaval. Na quinta-feira começaram os ensaios de rua, o que acrescenta uma atividade física, é como uma simulação do desfile. No ensaio da quadra eu treino bastante, mas em termos de desgaste, como fico no palco, tenho momentos de descanso. Na rua, à frente da bateria, eu fico mais isolada e vou desenvolvendo os movimentos da dança.

Você já provou a fantasia? Pode dar uma pista de como ela vai ser?

Isso já está feito, mas é aquele segredo de todo ano… Não posso revelar nada.

Qual é a sua relação com o tema deste ano (influência negra na música dos Estados Unidos - com Pixinguinha e Louis Armstrong)? 

É um tema muito inspirador para mim porque sou apaixonada pela música e pela dança. São ícones que fazem parte da minha história de vida e fico feliz de poder homenageá-los. É muito bom quando o enredo é assim. Além da minha emoção com a escola - que é sempre renovada, como se fosse a primeira vez - este ano vai ser muito especial também poder saudar artistas que eu admiro e que são fontes de inspiração para mim. A emoção é redobrada, tem um gosto muito especial. E a escola acaba atraindo um público que muitas vezes nem é o público de carnaval, mas que gosto desses artistas.

Beyoncé terá uma ala inteira dedicada a ela, e a escola está tentando trazê-la para o desfile. Você acha que isso pode acontecer?

Estou meio por fora dessas negociações. Eu gostaria que ela viesse, mas realmente não sei se vem ou não. Eu tenho a mesma expectativa do público. Eu, como tijucana, quero que a escola faça bonito na avenida, independente dos artistas virem ou não. 

E quando você não está na avenida, quais são as suas dicas para aproveitar o carnaval?

Faz anos que eu não consigo aproveitar muito o carnaval fora da avenida, mas eu gostava bastante dos blocos do Rio. O carnaval de rua está sensacional, muito divertido mesmo. Eu gostava muito também de ir ao carnaval na Bahia. Também já fui ao de Pernambuco - Recife e Olinda - e foi sensacional. Tem que aproveitar com segurança, conforto e responsabilidade para ter um carnaval sempre feliz.