Juiz anula condenação de homem retratado em 'Making a Murderer' e manda soltá-lo da prisão

- O Estado de S.Paulo

Brendan Dassey foi acusado de estuprar e esquartejar uma mulher

Brendan Dassey teve a liberdade aprovada pelo juiz de Milwaukee

Brendan Dassey teve a liberdade aprovada pelo juiz de Milwaukee Foto: AP

O juiz federal de Milwaukee, William Duffin, ordenou nessa segunda-feira, 17, que Brendan Dassey seja libertado da prisão. O magistrado já havia anulado sua condenação, mas expediu a ordem de soltura sob supervisão, enquanto aguarda os andamentos do processo e o agendamento de um novo julgamento.

Dassey é um dos personagens do documentário Making a Murderer, da Netflix, e está preso há 11 anos. Sua pena era de prisão perpétua. Ele ainda não deixou a detenção. Um de seus advogados, Steve Drizin, disse ao USA Today que espera pela rápida saída do rapaz. O Estado, no entanto, já acionou seus representantes para reverter esta decisão.

"Não vai acontecer hoje, mas estamos muito esperançosos de que teremos Brendan em casa até o Dia de Ação de Graças [24 de novembro], se não mais cedo", disse.

Dassey e seu tio, Steven Avery, foram condenados por homicídio doloso da fotógrafa Teresa Halbach, a quem teria estuprado e esquartejado. O documentário de Netflix mostra diversas evidências que comprovam a falta de provas para incriminar os acusados e evidencia as ações obscuras do judiciário norte-americano, promovidas para incriminar a dupla.

Antes deste crime, Avery havia passado 18 anos preso por um assassinato que não cometeu e saiu da prisão após os exames de DNA comprovarem a sua inocência. Ao sair, processo o Estado, e o caso de Teresa Halbach surgiu em sua vida.

Making a Murderer emocionou o mundo em 2015 ao evidenciar as injustiças cometidas com Avery, hoje com 54 anos, e seu sobrinho, Dassey, de 27. O caso voltou a ter prioridade na Justiça graças à mobilização do público, que criou uma petição pela liberdade dos condenados.