João Gordo fala sobre Chorão na CCXP: 'A cocaína potencializava o ódio dele'

Redação - O Estado de S.Paulo

'O pouco de mau caráter que ele tinha se multiplicava por algo gigantesco', afirma o músico da banda Ratos de Porão

João Gordo e Chorão

João Gordo e Chorão Foto: Divulgação / Canal Brasil | JF Diorio / Estadão

João Gordo falou sobre Chorão na Comic Con Experience (CCXP) 2019 na quinta-feira, 5, durante um painel sobre o documentário Chorão Marginal Alado. As informações são do UOL.

Os dois músicos viveram momentos íntimos, e o cantor da banda Ratos de Porão deu detalhes sobre a personalidade e de histórias engraçadas do vocalista de Charlie Brown Jr., que morreu em março de 2013 por overdose de cocaína.

"Chorei muito quando ele morreu. E no dia resolvi fazer um baseado desse tamanho, um tabaco de baseado. E saí de carro para passar em frente ao prédio dele. Isso cheio de polícia, TV e fã. E eu fumando um para homenagear o cara", relembra.

"Ele era muito amor e ódio. Você tinha que falar bem da banda dele. Se fosse amigo, você tinha tudo. Se fosse inimigo, não tinha nada. Ele era muito louco. Cheirava para car****. A cocaína potencializava o ódio. O pouco de mau caráter que ele tinha [se] multiplicava por algo gigantesco", completou.

Segundo João Gordo, Chorão já bateu em um adolescente na fila do supermercado ao ver que ele estava comprando um CD do Rouge - girl band dos anos 2000. Em outro momento, o rockeiro foi convidado para ir à festa de aniversário surpresa de Chorão e os dois começaram a experimentar um spray de buzina.

"O negócio realmente dava um barato [sob efeito de drogas]. E ele começou a experimentar. De repente, os pais dele olham para nós. Tipo: 'O que esses loucos estão fazendo cheirando buzina?'", contou.