Há 20 anos, Ellen DeGeneres assumia na TV sua homossexualidade

Redação - O Estado de S.Paulo

Apresentadora revelou ser gay em entrevista a Oprah Winfrey; duas semanas antes, ela havia sido capa da 'Time'

Ellen DeGeneres na cerimônia do prêmio Mark Twain em 2012. 

Ellen DeGeneres na cerimônia do prêmio Mark Twain em 2012.  Foto: Reuters/Jonathan Ernst

A frase 'Yep, I'm gay' (sim, sou gay), estampava a capa da revista Time com a foto de Ellen DeGeneres em 14 de abril de 1997. 

Duas semanas mais tarde, no dia 30 de abril, foi a vez do público ver com seus próprios olhos a apresentadora falar sobre o assunto em entrevista a Oprah Winfrey, ao lado de sua namorada na época, a atriz Anne Heche. 

"Eu decidi que isso não era algo do qual eu teria vergonha a minha vida inteira", disse Ellen a Diane Sawyer alguns dias antes.

A capa da revista 'Time' com a frase 'Sim, eu sou gay' 

A capa da revista 'Time' com a frase 'Sim, eu sou gay'  Foto: Handout via The New York Times

Leia aqui a matéria completa.

Além das entrevistas à Time, a Diane Sayer e a Oprah, outro passo que causou comoção foi o episódio The Puppy Episode, da série Ellen, que foi ao ar também no dia 30. Nele, a personagem principal Ellen Morgan (interpretado por DeGeneres) também revelou ser gay.

Aproximadamente 44 milhões de pessoas assistiram ao episódio, quase três vezes a audiência normal. A cena tem grande carga emocional, mas não deixa o humor de lado. Assista abaixo (em inglês, com tradução em seguida):

"Isso é tão difícil, mas eu acho que eu percebi que eu sou... Eu não consigo nem dizer a palavra. Por que eu não consigo dizer essa palavra? Por que eu não consigo simplesmente dizer... O que está errado? Por que eu preciso ter tanta vergonha? Por que eu não consigo simplesmente dizer a verdade e ser quem eu sou? Eu tenho 35 anos de idade e tenho tanto medo de contar às pessoas. Susan... Eu sou gay."

Nas semanas seguintes após a exibição do episódio, a ABC recebeu diversas cartas de espectadores revoltados. Uma das mensagens veio do Media Research Center (centro de pesquisa de mídia, em tradução livre), assinada por aproximadamente 30 pessoas, incluindo religiosos conhecidos da TV norte-americana, afirmando que o episódio havia sido "uma tentativa ruidosa de promover a homossexualidade", relata a Vanity Fair.

Houve também ameaças de morte a membros da equipe, mensagens de ódio a Oprah, e recusa de papéis em Hollywood à atriz Laura Dern, que interpretava Susan na série, por quem a personagem de Ellen se interessava romanticamente.

No entanto, houve também muita repercussão positiva. Ellen afirma ter recebido cartas de fãs agrandecendo por sua influência e afirmando, em alguns casos, que ela os havia ajudado a evitar o suicídio.

Pouco mais de um ano depois, a série foi cancelada. Mark Driscoll, produtor-executivo, acredita que o programa tenha perdido audiência por se tornar uma série "sobre uma mulher ser gay, em vez de ser sobre uma mulher que por acaso era gay".

Carreira. Desde então, Ellen teve outra série, criou seu talk show - que está no ar até hoje -, apresentou a cerimônia do Oscar, dublou pesonagens de sucesso como Dory, em Procurando Nemo, casou-se com Portia de Rossi e ganhou a Medalha da Liberdade, entregue por ninguém menos que Barack Obama

Ellen Degeneres e sua mulher, Portia de Rossi, na festa da revsista 'Vanity Fair' para a celebração da premiação do Oscar 2014.

Ellen Degeneres e sua mulher, Portia de Rossi, na festa da revsista 'Vanity Fair' para a celebração da premiação do Oscar 2014. Foto: Reuters/Danny Moloshok

No episódio mais recente de seu talk show, ela celebrou os 20 anos de sua revelação. Assista aqui (em inglês).