Grammy 2021: Anitta rebate Rick Bonadio após crítica ao funk na premiação

Bárbara Correa* - O Estado de S.Paulo

Cardi B apresentou a versão funk da música 'WAP', feita pelo DJ Pedro Sampaio

Rick Bonadio criticou o funk na apresentação de Cardi B, no Grammy 2021. Anitta defendeu o gênero musical nas redes sociais

Rick Bonadio criticou o funk na apresentação de Cardi B, no Grammy 2021. Anitta defendeu o gênero musical nas redes sociais Foto: Instagram/ @rickbonadio| Instagram/ @anitta

A cantora Cardi B se apresentou no Grammy 2021, ocorrido neste domingo, 14, com uma versão funk da música WAP. O remix foi feito pelo DJ Pedro Sampaio, em setembro de 2020, e o vídeo da perfomance teve grande repercussão entre os internautas brasileiros.

Porém, após a apresentação, o produtor musical Rick Bonadio reprovou o "barulho" que o público do Brasil fez com a chegada do funk na premiação. 

"Já exportamos Bossa Nova, já exportamos Samba Rock, Jobim, Ben Jor. Até Roberto Carlos. Mas o barulho que fazem por causa de 15 segundos de funk na apresentação da Cardi B me deixa com vergonha", escreveu ele no Twitter. Confira abaixo a apresentação da rapper no Grammy 2021:

Na rede social, ele foi criticado por usuários, que não aprovaram a publicação e alegaram que se tratava de um "pensamento preconceituoso". Anitta também resolveu responder o produtor nas redes sociais, defendendo o gênero musical.

"Tenho uma sugestão top pra você também. Escolhe um ritmo brasileiro à sua altura, faz uma música e exporta pro mundo. É facin... e rápido.. e de uma hora pra outra, claro, não dá pra começar com míseros segundos no Grammy. Quando você chegar lá a gente comemora com você". 

Após a repercussão, Rick se retratou em tweets explicando que não teve intenção de criar polêmica ou desmerecer o trabalho de ninguém. "O Funk precisa evoluir. Os funkeiros precisam ousar evoluir musicalmente para crescer. Não se pode fazer o mesmo sempre porque isso dá certo. Meu post anterior não teve a intenção destrutiva", explicou. 

"Não dá para aceitar que sempre a mesma batida (...) seja algo necessário ou a 'cultura do país'. De qualquer forma, eu respeito todos do Funk por suas batalhas e vitórias. Desculpem se ofendi, nunca é minha intenção", completou ele. 

*Estagiária sob supervisão de Charlise Morais