Gal Gadot fala sobre comportamento abusivo de Joss Whedon, diretor de ‘Liga da Justiça’

Redação - O Estado de S.Paulo

A atriz que interpreta a Mulher-Maravilha relembrou as ameaças que sofreu na finalização do longa

A atriz Gal Gadot interpreta a Mulher-Maravilha em 'Liga da Justiça'

A atriz Gal Gadot interpreta a Mulher-Maravilha em 'Liga da Justiça' Foto: Luke McGregor / Reuters

 

A atriz Gal Gadot expôs o comportamento abusivo e ameaças do diretor Joss Whedon durante a finalização do filme Liga da Justiça. Ele assumiu a produção após o afastamento de Zack Snyder, diretor original da obra.

Snyder se retirou após o suicídio da filha, Autumn Snyder, em março de 2017. A  Warner Studios, então, contratou Whedon, que gravou novas cenas, substituindo ou retirando partes da versão de Snyder. 

Em entrevista à revista Elle, a atriz israelense que interpreta Diana Prince, a Mulher-Maravilha, relembrou as situações desagradáveis que viveu no set de filmagem. O diretor ameaçou sua carreira, dizendo que a tornaria “miserável” se ela não obedecesse suas diretrizes em relação à personagem. 

 

Gal Gadot, Ben Affleck e Ezra Miller em cena de 'Liga da Justiça'

Gal Gadot, Ben Affleck e Ezra Miller em cena de 'Liga da Justiça' Foto: Clay Enos/Warner Bros. Entertainment Inc. via AP

 

“Você fica zonza porque não consegue acreditar que aquilo foi dito a você. E se ele diz isso para mim, então obviamente ele diz para muitas outras pessoas. Eu apenas fiz o que senti que tinha que fazer. E era para dizer às pessoas que não está tudo bem”, comentou a atriz.

“Devo dizer que os chefes da Warner Brothers cuidaram disso”, afirmou a intérprete da Mulher-Maravilha.

Além de Gadot, o ator Ray Fisher, que interpretou Cyborg, reclamou sobre os abusos de Joss Whedon durante as filmagens de Liga da Justiça

 

 

Denúncia anterior

Charisma Carpenter, que trabalhou com o cineasta em Buffy, a Caça-Vampiros, série criada e produzida por ele, também se manifestou sobre seu comportamento inadequado em fevereiro deste ano. No Twitter, ela escreveu: "Minha verdade. Estou com Ray Fisher". 

A atriz contou que demorou para conseguir falar sobre os episódios que a traumatizaram. "Por quase duas décadas, segurei minha língua e até mesmo dei desculpas para certos eventos que me traumatizaram até hoje. Joss Whedon abusou de seu poder em várias ocasiões enquanto trabalhava nos sets de Buffy, a Caça-Vampiros e Angel. Embora ele achasse sua conduta inadequada divertida, só serviu para intensificar minha ansiedade, me enfraquecer e me afastar de meus colegas." 

A atriz afirmou que “os incidentes perturbadores desencadearam uma condição física crônica” que ela sente até hoje. “É com o coração batendo pesado que digo que enfrentei isso isoladamente e, às vezes, destrutivamente", continuou Carpenter.

"Quando Ray Fisher acusou publicamente Joss Whedon de abuso e comportamento não profissional em relação ao elenco e à equipe durante as refilmagens em Liga da Justiça em 2017, fiquei arrasada. Joss tem uma história de ser casualmente cruel. Ele criou ambientes de trabalho hostis e tóxicos desde o início de sua carreira. Eu sei porque experimentei em primeira mão. Repetidamente", lamentou a atriz.

Assim como Gal Gadot relatou, Charisma disse que o cineasta ameaçava destruir sua carreira. "[Ele fazia] Contínuas ameaças de me despedir, o que destrói a autoestima de um jovem ator. E insensivelmente me chamando de ‘gorda’ para os colegas quando eu estava grávida de 4 meses. Ele era mau e mordaz, depreciativo sobre os outros abertamente e muitas vezes tinha favoritos, colocando as pessoas umas contra as outras para competir e vencer por sua atenção e aprovação", contou.