Felipe e Rodrigo Simas falam sobre morte da avó: 'Nem toda despedida é na hora da partida'

Redação - O Estado de S.Paulo

Atores compartilharam um momento que viveram com ela há cerca de um ano, que foi como uma despedida

Rodrigo e Felipe Simas quando eram crianças ao lado da avó paterna.

Rodrigo e Felipe Simas quando eram crianças ao lado da avó paterna. Foto: Instagram/@simasrodrigo

Os atores Felipe e Rodrigo Simas falaram sobre a morte da avó paterna em publicações no Instagram neste sábado, 5. Embora o falecimento seja recente, eles dizem que a despedida foi há mais ou menos um ano, em um momento compartilhado apenas pelos três.

"Sentados na mesa de jantar, a casa cheia, e de repente só 'estávamos' nós ali. Não consigo e nem posso explicar em palavras. A vida tem dessas coisas, esses momentos, essas sensibilidades. Foi uma despedida? Pra mim e pro meu irmão foi. Nada foi dito, nem planejado. Só estávamos ali, presentes e vivos", relatou Rodrigo.

Felipe deu mais detalhes da ocasião. "Em meio aos gritos, gargalhadas e muitas conversas paralelas, ela sai de sua cabeceira, atravessa a sala de jantar, interrompendo um papo nosso que só tinha surgido para que pudéssemos ser interrompido por ela. Ela nunca tinha nos olhado daquela maneira. Com olhos eternos e brilhantes feito estrelas. Segurou nossas mãos e disse que nos amava muito", descreveu. "Essa despedida, que não foi no momento da partida, foi tão doce quanto o bolo de doce de leite e suspiro que ela fazia."

Os irmãos compartilharam fotos da avó e Rodrigo publicou uma de quando os dois eram crianças ao lado dela. O pai deles, Beto Simas, também falou sobre a morte da mãe. 

"A matriarca se foi desse plano, mas estará sempre em nossos corações. Obrigado por tudo minha mãe amada. Te amarei eternamente", escreveu ao também publicar uma foto em que aparece ao lado dela.

Mariana Uhlmann, mulher de Felipe Simas, também fez uma homenagem à mulher, que passou a considerar uma avó também. "Quando a conheci, ela fez um almoço que me incentivou a comer beringela, pra quem sempre me conheceu, ela fez milagre. A sua comida era apaixonante, como ela. [...] Especial ela era e sempre será, virou minha vó e mulher de referência na minha vida, vai fazer falta", disse.

Veja as publicações abaixo:

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Nem toda despedida é na hora da partida. Começo por nosso último encontro. Minha vó tinha envelhecido ao ponto de depender dos filhos como os recém nascidos dependem dos pais. Meu pai disse que já não mais comia, estava a base de água e sol da janela. De verdade, nesse nosso último encontro, disse que a amava e mesmo ela tendo respondido, já aceitava, com o coração em paz, a falta que ela faria no futuro próximo da nossa família. A imagem que guardo, desde minha infância, é de uma Vó de casa cheia. De uma Vó que tinha adoração pela Santa Ceia, enquanto as nossas, eram ceias cheias de “confusão”. Por fora ela ficava nervosa com o caos causado pelo encontro dos primos, irmãos, noras, genros, agregados, etc. mas por dentro, por dentro acredito que regozijava por ser a matriarca da família. Foi em um desses encontros que nos despedimos. Ela, eu e meu irmão. Em meio aos gritos, gargalhadas e muitas conversas paralelas, ela sai de sua cabeceira, atravessa a sala de jantar, interrompendo um papo nosso que só tinha surgido para que pudéssemos ser interrompido por ela. Ela nunca tinha nos olhado daquela maneira. Com olhos eternos e brilhantes feito estrelas. Segurou nossas mãos e disse que nos amava, muito. Essa é a avó que guardo na memória. Essa despedida, que não foi no momento da partida, foi tão doce quanto o bolo de doce de leite e suspiro que ela fazia... O nosso consolo é saber que ela está nos braços do Pai.

Uma publicação compartilhada por Felipe Simas (@felipessimas) em