'Falar só dela e não sobre racismo é grave', diz Samara Felippo sobre transição capilar de Kéfera

redação - O Estado de S.Paulo

Atriz considera que a youtuber deveria ir mais a fundo sobre o tema e falar do racismo por trás da questão

A atriz Samara Felippo e a youtuber Kéfera.

A atriz Samara Felippo e a youtuber Kéfera. Foto: Instagram/sfelippo | Instagram/kefera

Samara Felippo se posicionou nesta segunda-feira, 4, sobre um vídeo no qual Kéfera compartilha seu processo de transição capilar. Segundo a atriz, que tem duas filhas de cabelos cacheados e defende a aceitação dos fios naturais, a youtuber falou apenas da própria história e poderia ter ido mais a fundo sobre o racismo que está por trás do tema.

"O que me incomodou não foi o que a Kéfera falou, foi o que a Kéfera não falou. Ela fala sobre o que ela passou com o cabelo rebelde, bagunçado na escola, o bullying que ela sofreu. Mas o que ela não fala é por que esse cabelo bagunçado é tão rejeitado, por que quando ela começou a postar os vídeos com cabelo natural, ela foi tão criticada", disse Samara em uma série de stories no Instagram.

Antes, a atriz tinha publicado um vídeo em que demonstra susto ao ver Kéfera falando da transição. "Eu não acho que a Kéfera está errada. Ela, com milhões de seguidores, precisa usar essas redes de forma mais relevante, mais importante socialmente", afirmou.

No Instagram Stories, Samara Felippo demonstrou surpresa com vídeo de Kéfera sobre transição capilar.

No Instagram Stories, Samara Felippo demonstrou surpresa com vídeo de Kéfera sobre transição capilar. Foto: Instagram/sfelippo

Segundo Samara, a youtuber "podia - podia não, pode - ir nisso mais profundamente", disse, e falou que há outras youtubers negras que falam sobre o tema "com propriedade". No final, ela indicou algumas dessas pessoas.

Ao reforçar que não estava criticando Kéfera, a atriz disse que "só me faltou ela, além de contar a história dela - que não estou menosprezando -, contar a verdadeira história das meninas que passam por isso de forma muito agressiva, muito cruel: as meninas negras". E continuou: "Quando a Kéfera fala só dela, do que ela passou, e não fala sobre racismo, isso sim é grave".