Fã de Roger Moore compartilha lembrança sobre ator e viraliza

Redação - O Estado de S.Paulo

Marc Haynes encontrou o ator de James Bond duas vezes na vida 

Ator morreu aos 89 anos no dia 23 de maio de 2017

Ator morreu aos 89 anos no dia 23 de maio de 2017 Foto: REUTERS/Neil Hall

Marc Haynes é um grande fã de Roger Moore. No dia em que o ator morreu, 23 de maio, ele compartilhou em seu Facebook duas lembranças marcantes que viver com o ator. 

O primeiro encontro dos dois foi quando Marc tinha sete anos, no aeroporto de Nice. Ele viu Moore no aeroporto e disse ao seu avô que aquele era James Bond e queria um autógrafo. "Meu avô não tinha ideia de quem era James Bond ou Roger Moore, então, nós fomos até lá e ele apareceu na frente de Roger Moore com as palavras 'meu neto diz que você é famoso. Você pode assinar isso?", então, o ator deu um autógrafo no cartão de embarque da criança. 

Ao ler a assinatura, Marc ficou confuso, pois não dizia James Bond. "Eu disse ao meu avô que ele tinha assinado errado, tinha colocado o nome de outra pessoa - então, meu avô voltou até Roger Moore, segurando o Ticket que ele tinha acabado de assinar. (...) 'ele disse que você assinou o nome errado. Ele disse que seu nome é James Bond'."

Então, Moore abaixou a voz e disse a Marc: "Eu tenho que assinar meu nome como Roger Morre, se não, Blofeld pode descobrir que eu estou aqui", em referência ao vilão do agente secreto. O avô do menino perguntou a ele se James Bond tinha dado seu autógrafo, e Marc disse que entendeu errado e agora trabalhava com o agente. 

"Muitos anos depois, eu estava trabalhando como roteirista em uma gravação envolvendo a UNICEF, e Roger Moore estava fazendo um trecho como embaixador", relembra. Então, Marc foi contar a ele sua história de criança. "Bem, eu não me lembro, mas fico feliz que você tenha conhecido James Bond", respondeu o ator. 

Depois, Moore se aproximou e disse: "Claro que lembro do nosso encontro em Nice. Mas eu não disse nada lá dentro por causa dos câmeras - qualquer um deles poderia estar trabalhando para Blofeld". 

"Eu fiquei tão feliz aos 30 quanto aos 7", escreveu Marc. "Que homem. Que tremendo homem."