Ex-empresário de Terry Crews pede mais de R$ 3 milhões em ação judicial

Redação - O Estado de S.Paulo

Darwin Hall alega que foi difamado e que não foi pago devidamente por seus trabalhos de agenciamento de carreira e gerenciamento de redes sociais

Terry Crews. 

Terry Crews.  Foto: REUTERS/Danny Moloshok

Terry Crews está sendo processado por Darwin Hall, seu ex-empresário. Nesta quarta-feira, 15, Hall registrou uma ação na Justiça americana alegando que o ator está lhe devendo mais de 1 milhão de dólares (cerca de R$ 3,9 milhões) pelo trabalho de gerenciamento de carreira e das redes sociais do ator, além de indenizações por difamação.

Hall ainda alega que Crews o difamou em uma série de tuítes publicados no ano passado, e que ainda teria convocado seus seguidores a persegui-lo. "Plaintiff Hall ficou com muito medo e preocupado com sua segurança assim como  a de sua família", diz o processo, de acordo com a Variety.

No processo, Hall diz que começou a trabalhar com Crews em 1999, e recebeu um total de 28.479,06 dólares (cerca de R$ 111 mil). Entretanto, ele alega que deve receber por mais de 6 mil horas de trabalho, e cobra o valor de 55 dólares (algo como R$ 214) por hora.

Em dezembro de 2017, Crews tuitou um desabafo falando que não conseguiria seu domínio www.terrycrews.com de volta porque um "ex-amigo" estava cobrando 300 mil dólares. "O ex-amigo é um sociopata narcisista. Alguém que finge que gosta das coisas que você gosta para manipular e controlar. Eu quis acreditar que ele era legal, então ignorei os sinais. Eu não percebi até que era tarde demais", tuitou o ator.

"Ele frequentemente confessava coisas erradas que fazia alegando que 'estava sendo honesto', mas era apenas uma forma de intimidação. Quando eu descobri que ele estava criando sites pornográficos, eu disse que não poderia mais trabalhar com ele, eu vi como isso iria me afetar. Ele concordou em não trabalhar mais com isso... Depois me pediu para pagá-lo para substituir todo o dinheiro que os sites pornográficos  dariam a ele. Eu me recusei. Ele costumava ser um amigo meu, então eu o paguei para que ele fosse embora – até que eu descobri que ele estava criando sites pornô – então eu o mandei embora", contou na época.

Mesmo sem citar nenhum nome, algumas pessoas na época apontaram que se tratava de Darwin Hall. No processo, Hall alega que os fatos relatados no Twitter são falsos e difamatórios.