‘Eu Estou Alegre: Minha Mãe Morreu’, diz atriz de ‘iCarly’ em autobiografia

Laila Nery - ESPECIAL PARA O ESTADÃO

Jennette McCurdy decidiu falar sobre como relacionamentos abusivos dentro da família podem ser autodestrutivos e como se recuperar

Jennette McCurdy lança em agosto sua autobiografia; 'Eu Estou Alegre: Minha Mãe Morreu'.

Jennette McCurdy lança em agosto sua autobiografia; 'Eu Estou Alegre: Minha Mãe Morreu'. Foto: Instagram / @jennettemccurdy

Jennette McCurdy, 29, que interpretou Sam Puckett em iCarly, está lançando sua autobiografia no dia 9 de agosto e o título do livro tem chamado bastante atenção. I’m Glad My Mom Died, ou Eu Estou Alegre: Minha Mãe Morreu. O nome é o mesmo dado ao show que a artista apresentou entre fevereiro e março de 2020, antes da pandemia, nos cinemas de Los Angeles e Nova York.

Ela vem trabalhando com direção de cinema e contou em entrevista à Entertainment Weekly  que vê a sua própria vida como uma tragicomédia e explicou a escolha do título. Segundo Jennette, quando criança, a  mãe a obrigou a se tornar uma estrela de televisão. Em pouco tempo, ela passou a ser a principal fonte de renda da família e era obrigada a seguir buscando mais dinheiro, para que eles saíssem de uma condição miserável. Na época, ela só tinha dez anos e não estava preparada para tanta pressão psicológica. Foi assim que desenvolveu ansiedade, vergonha e auto-aversão. Os distúrbios de imagem foram se transformando em distúrbios alimentares, vício e uma série de relacionamentos não saudáveis. Ela entrou num ciclo autodestrutivo.

Debra McCurdy, mãe de Jennette, morreu em 2013, aos 56 anos, devido a um câncer de mama contra o qual vinha lutando há 17 anos. Ela estava ainda mais obcecada em transformar a filha em uma estrela e na reta final do tratamento, Jennette foi obrigada a entrar para o elenco de Sam & Cat, ao lado de Ariana Grande

Em 2021, Jennette revelou em seu próprio PodCast Empty Inside, que não retomará a carreira como atriz e que sente muita vergonha dos papéis em que trabalhou.

"Tudo só aconteceu por conta da pressão da minha família. Não tínhamos muito dinheiro, e essa foi a saída. O que eu realmente acho que foi útil para me levar a algum grau de sucesso, porque eu não acho que eu teria sido tão ambiciosa se não soubesse que era para minha família. Imagino que a experiência é muito diferente com a atuação se você se orgulha de seus papéis e se sente realizado por eles”, revelou Jennette.

Agora, depois de muito tempo com acompanhamento terapêutico e psiquiátrico, ela se sentiu segura para falar sobre como se recuperou.

"Foi importante para mim explorar o abuso emocional e psicológico que sofri durante meu tempo como atriz. Eu não tive as ferramentas, a linguagem ou o apoio necessários para falar por mim mesma naquela época, então este livro é uma maneira. Não apenas de honrar essa experiência e dar voz ao meu antigo eu, mas espero encorajar os jovens a falar por mim”.