Alec Baldwin diz em entrevista que não puxou gatilho de arma em acidente durante filmagens

Redação - O Estado de S.Paulo

Ator deu primeira entrevista para televisão após acidente que matou a diretora de fotografia Halyna Hutchins

Alec Baldwin deixa tribunal de Manhattan, em Nova York.

Alec Baldwin deixa tribunal de Manhattan, em Nova York. Foto: Carlo Allegri/Reuters

O primeiro relato público de Alec Baldwin sobre a morte a tiros no set do filme Rust foi transmitido na noite desta quinta-feira, 2, cerca de seis semanas depois que uma arma que ele usava durante um ensaio disparou uma bala real e matou uma diretora de fotografia.

Baldwin deu uma entrevista que George Stephanopoulos, da rede ABC, descreveu como explícita e detalhada. A tragédia ainda está sendo investigada por autoridades do Estado norte-americano do Novo México.

Em um trecho, Baldwin disse que não puxou o gatilho da arma, o que cria a possibilidade de o revólver Colt de calibre .45 ter disparado acidentalmente. "Eu jamais apontaria uma arma a alguém e puxaria o gatilho contra a pessoa", disse o ator.

"Eu pensei comigo mesmo, 'Ele desmaiou?' A noção de que havia uma bala de verdade naquela pistola não me ocorreu até que provavelmente 45 minutos ou uma hora se passaram ", explicou. 

Segundo o artista, a confusão no estudo ficou evidente, pois ninguém "conseguiu entender" o que acontecia nos segundos imediatamente após o tiro, a ponto de chegar a pensar que sua parceira havia sofrido um infarto. "A mera ideia de que alguém colocou uma bala de verdade nem era possível", disse ele visivelmente emocionado.

Entre lágrimas, deu uma descrição detalhada do momento em que ocorreu o acidente fatal e insistiu que "nunca puxou o gatilho", mas que, seguindo as instruções da própria cineasta, engatilhou a arma em posição de tiro durante um ensaio das posições da câmera para o filme Rust. “Ela está ao lado da câmera. A câmera está aqui. Ela está me dando instruções de como ela quer o ângulo da cena e eu santo a arma”, descreveu.

“Não estou mirando na lente da câmera. Seguro a arma onde ela me diz para segurá-la. Que acabou sendo embaixo da axila. (...) Continuamos e aí eu começo a engatilhar a arma. Eu não vou atirar. Ela diz: 'Apenas encene, você consegue ver?' E então eu solto o martelo da pistola e a pistola dispara ", continuou.

Depois do tiro, Baldwin ficou parado por um minuto ao lado dela, que ainda estava consciente e em "estado de choque" até que finalmente desmaiou. "Todo mundo ficou horrorizado", disse. 

Mesmo após mais de um mês desde o evento, o artista ainda não sabe a origem daquela bala. “Alguém colocou munição real naquela arma, uma bala que nem deveria estar no prédio”, relatou. E ele resolveu a questão dizendo: "Não posso dizer quem foi, mas não fui eu."

O ator, que também foi produtor do filme, desatou a chorar ao falar de Hutchins: “Não me parece real (...) Ela era amada e admirada por todos que trabalharam com ela. "

A entrevista foi ao ar na mesma semana em que investigadores do estado do Novo México (EUA) ordenaram o registro da empresa fornecedora de munições e armas para as filmagens do filme.

O departamento do xerife de Santa Fé, que interrogou Baldwin imediatamente depois do incidente, mas não revelou o que ele disse, comunicou na quarta-feira, 1,  que não tem comentários sobre as colocações do ator.

Baldwin, conhecido por interpretar um executivo de rede de televisão egoísta na série cômica 30 Rock, aparece pouco desde o acidente de 21 de outubro no Rancho Bonanza Creek. Ele era o protagonista e também um produtor do faroeste de baixo orçamento.

A diretora de fotografia Halyna Hutchins morreu e o diretor Joel Souza ficou ferido quando uma arma que o ator foi informado ser segura disparou uma bala real.

Nenhuma acusação criminal foi feita. / REUTERS e EF