Do México, pai de Meghan Markle pede para ver os netos

Agências - AFP

Thomas Markle mandou um recado para a filha, a duquesa de Sussex: 'Devíamos ambos amadurecer, nos reconciliar pelo bem das crianças'

Thomas Markle, pai de Meghan Markle, durante entrevista para o programa 'Good Morning Britain', em junho de 2018.

Thomas Markle, pai de Meghan Markle, durante entrevista para o programa 'Good Morning Britain', em junho de 2018. Foto: Good Morning Britain/ITV handout via Reuters

Thomas Markle, pai da duquesa de Sussex Meghan Markle, com quem mantém uma tensa relação, pediu à filha, em uma entrevista na terça-feira, 18, que o deixe ver os netos, ao mesmo tempo em que a acusou de se preocupar apenas com dinheiro. 

"Estamos em um ponto em que acho que devíamos ambos amadurecer, conversar, nos reconciliar pelo bem das crianças", afirmou, referindo-se ao neto Archie, nascido em 2019, e a sua neta Lilibet, que nasceu em junho passado.

A entrevista foi concedida de sua casa, no México, ao canal britânico ITV

Diretor de iluminação aposentado de Hollywood, Markle, de 77 anos, não tem contato com sua filha desde que ela se casou com o príncipe Harry, em maio de 2018. Ainda não conheceu seus netos.

"Isso é ridículo, quase quatro anos, é uma loucura", considerou. 

"Sua bisavó é a rainha da Inglaterra e acho que é importante que saibam que têm duas famílias e que, com o tempo, vão crescer e vão querer saber mais sobre elas", acrescentou.

Como já havia feito em entrevistas anteriores, não poupou ataques à sua filha, que ficou famosa como atriz na série de televisão Suits.

Segundo Markle, Meghan quer que ele pare de falar com seus outros filhos, fruto de um segundo casamento.

"Não poderia", afirmou. "Ela nunca tinha sido assim", mas, "depois que ficou com Harry, ela mudou", reclamou. 

Markle se separou de Doria Ragland, a mãe de Meghan, quando ela era criança. 

Nesta terça-feira, ele também acusou sua filha e o príncipe Harry de se preocuparem apenas com a riqueza: "Essa é a única coisa que parece importar para eles agora".