Diretora de ‘Matrix’ ataca Elon Musk e Ivanka Trump por fazerem referência ao filme

João Pedro Malar* - O Estado de S.Paulo

Lilly Wachowski, que dirigiu e criou o roteiro da franquia junto com a irmã Lana, fez o comentário após os dois citarem a famosa cena da pílula vermelha

Cena de 'Matrix' (1999), das irmãs Wachowski, que imagina seres humanos vivendo em um mundo simulado

Cena de 'Matrix' (1999), das irmãs Wachowski, que imagina seres humanos vivendo em um mundo simulado Foto: Warner Home Video

Atualizada em 18 de maio de 2020, às 17h55

A roteirista e diretora dos filmes Matrix, Lilly Wachowski, atacou no domingo, 17, o empresário Elon Musk e Ivanka Trump, filha do presidente Donald Trump, por publicarem referências ao primeiro filme da franquia, atribuindo uma aparente carga política à famosa cena envolvendo a pílula vermelha.

Tudo começou quando Musk fez uma publicação em sua conta no Twitter falando para as pessoas tomarem a “pílula vermelha”, Ivanka compartilhou a fala do bilionário, e emendou dizendo que a dela “estava tomada”. Lilly respondeu a publicação de Ivanka: “Vão se f****”.

A referência de Musk foi inspirada no primeiro filme da franquia, de 1999, em que o personagem Morpheus oferece ao protagonista Neo, vivido por Keanu Reeves, duas pílulas, uma vermelha e outra azul após revelar que ele vivia em uma simulação de computador. A vermelha permitiria que a pessoa enxergasse a realidade para além da simulação, e com a azul Neo poderia retornar a sua vida normal e esquecer a revelação.

A crítica de Wachowski, criadora do filme junto com a irmã Lana, veio após as publicações acabarem atribuindo uma carga política à cena. Recentemente Elon Musk decidiu reabrir uma de suas fábricas na Califórnia mesmo em meio à quarentena devido à pandemia do novo coronavírus, e disse que eventuais punições legais deveriam ser destinadas apenas a ele.

Já o pai de Ivanka, o presidente dos Estados Unidos Donald Trump tem encorajado a retomada de atividades econômicas para uma reabertura da economia, indo contra as recomendações de especialistas que temem uma segunda onda de casos do novo coronavírus. Até o momento os EUA possuem quase 1,5 milhão de casos de covid-19 e 89 mil mortes. 

No dia 4 de maio Lilly repetiu a mensagem ao responder a uma publicação do ministro da Educação Abraham Weintraub. Ele publicou no dia 3 de maio um vídeo que mostra a cena do momento de escolha entre a pílula vermelha e a azul, com a legenda "está chegando o momento de decidir". "Vai se fu***", disse a diretora e roteirista.

*Estagiário sob supervisão de Charlise Morais