Daiana Garbin revelou que não foi ao casamento de Serginho Groisman por vergonha do próprio corpo

Redação - O Estado de S.Paulo

No ‘Altas Horas’, a jornalista contou sobre sua luta contra o transtorno alimentar

A jornalista Daiana Garbin revelou no 'Altas Horas' que não foi ao casamento de Serginho Groisman por vergonha do próprio corpo

A jornalista Daiana Garbin revelou no 'Altas Horas' que não foi ao casamento de Serginho Groisman por vergonha do próprio corpo Foto: Reprodução de cena do programa 'Altas Horas'/TV Globo

A jornalista Daiana Garbin, mulher do apresentador Tiago Leifert, participou do programa Altas Horas do último sábado, 17, e contou para o apresentador Serginho Groisman a sua luta contra um transtorno alimentar que a afetou por 22 anos. Ela também revelou que não foi ao casamento de Serginho, em 2015, por vergonha do seu próprio corpo.

“Você convidou a gente para o seu casamento e o meu marido foi sozinho. Eu não fui para o seu casamento. E a gente mentiu, a gente disse que eu estava doente. A verdade é que eu fiquei em casa chorando porque eu não fui ao seu casamento de vergonha”, revelou Daiana. “Vergonha porque eu achei que eu não era magra o suficiente, vergonha porque eu achei que eu não tinha roupa para ir numa festa tão chique, com gente tão chique, com pessoas da televisão, com pessoas famosas”, continuou.

"Desde criança, as pessoas, a família, todo mundo falava que estava bem, você é bonita, você não tem motivo para reclamar, você está reclamando de barriga cheia. Só que eu sempre senti uma sensação de inadequação, de vergonha profunda”, disse a jornalista. “Eu tinha vergonha de tudo, de todo mundo. E eu sempre achei que o dia que eu fosse magra a minha vergonha iria passar. Porque a gente coloca na magreza o sucesso da felicidade. Quando você ficar magra você vai ser amada, você vai ter sucesso, você vai ser 100% feliz. Isso não é verdade”, falou.

“Durante 22 anos eu tive um transtorno alimentar não especificado e eu não sabia disso. Eu tinha uma relação completamente doentia com a comida e com o meu corpo. E eu não sabia o que eu tinha. Eu achava que eu era só uma dessas meninas que quer ser fitness, que quer ser magra, que quer tomar uns ‘produtinhos’, que quer se encaixar no mundo. E quando eu fui ao psiquiatra pela primeira vez há dois anos eu descobri que o meu sofrimento era de fato uma doença emocional, um transtorno alimentar”, finalizou Daiana.