Carolina Dieckmann faz cirurgia para retirar prótese mamária e escreve texto sobre o explante

Laila Nery - ESPECIAL PARA O ESTADÃO

‘Livre’ foi o termo escolhido pela atriz para definir a sensação de se olhar no espelho e enxergar o seu seio natural

Carolina Dieckmann diz não se arrepender de ter colocado silicone, mas se pudesse voltar atrás, não faria.

Carolina Dieckmann diz não se arrepender de ter colocado silicone, mas se pudesse voltar atrás, não faria. Foto: Instagram / @Loracarola

Na última quarta, 9, a atriz Carolina Dieckmann publicou em seu Instagram uma fotografia onde a palavra Livre aparece em evidência. Na legenda, a atriz fala sobre o seu processo de explante do silicone que decidiu realizar aos 43 anos.

“O meu doce intuito com esse relato é te dizer que fiz, não me arrependi, mas se voltasse no tempo, não faria. Isso porque, apesar de ter ficado satisfeita com o resultado externo, ele nada tinha a ver com quem eu era internamente. Não me representa”

O trecho é parte de um desabafo da atriz em sua coluna no Mina Bem Estar, portal criado pela apresentadora Angélica, onde Carolina desabafou sobre a decisão de colocar o silicone e sobre a decisão de tirá-lo.

A fotografia escolhida mostra o tronco de Carolina e a cicatriz nos seios, temida por boa parte das mulheres, é coberta com uma arte, assim como os mamilos, num formato de coração. Carolina Dieckmann fez o implante há 13 anos, após amamentar o segundo filho. “Que mulher não se transforma desde as profundezas, até os fios de cabelo, com a maternidade?”, publicou a colunista.

“Eu tinha sido convidada para interpretar uma surfista. Depois de ter engordado 30 quilos, emagrecidos na marra, na base da fome e com peitos amiudados pela amamentação. Hoje, eu sei que me faltava um significado; ou, pelo menos, o entendimento dele. Mas, naquele 2008, preenchida de ausências, e de um desejo de ser como antes, coloquei silicone.”

A atriz ainda falou que não se arrepende de ter colocado a prótese e não enxerga o implante como um mal, mas que não seria mais para ela, apesar de ter ficado bonito, na sua avaliação. “Durante muito tempo, nem falei sobre isso. Quase não se notava, era pequeno, combinava comigo. E além do mais, ficou lindo, que mal pode haver nisso? Mal nele em si, não vi… O mal estava em mim”.