Carlinhos Maia erra ao falar de suicídio, Felipe Neto o critica e cita Setembro Amarelo

Redação - O Estado de S.Paulo

Em pleno mês de campanha de conscientização sobre saúde mental, influenciador mandou jovem se matar em vídeo

Comentário de Carlinhos Maia (à esquerda) foi alvo de críticas de Felipe Neto (à direita).

Comentário de Carlinhos Maia (à esquerda) foi alvo de críticas de Felipe Neto (à direita). Foto: Instagram / @carlinhosmaiaof | YouTube / @FelipeNeto

O youtuber Felipe Neto publicou, nesta segunda-feira, 2, em seu perfil no Twitter vários posts criticando o comentário de  Carlinhos Maia sobre suicídio

Com um tom de fala agressivo e sem considerar as cartilhas científicas voltadas ao tema, Maia depreciou um jovem de 16 anos com ideação suicida no domingo, 1º, dizendo que ele ainda "nem começou a vida" ao compará-lo com uma idosa de 65 anos que passa dificuldades para sustentar a família.

Neto não gostou da declaração do influenciador digital, falou que a postura dele foi "inacreditável" e, em um dos vídeos sobre o assunto, mencionou o Setembro Amarelo, que anualmente reúne campanhas em prol da saúde mental e de prevenção ao suicídio.

Horas depois, Felipe também compartilhou um trecho do Código Penal, o artigo 122 do decreto-lei, dando a entender que a fala de Maia pode ser considerada criminosa pela Justiça, sob pena de dois a seis anos de prisão. Leia:

Seguindo relatórios da Organização Mundial da Saúde, a postura de Carlinhos Maia ao lidar com o tema foi errada, uma vez que não considerou que 90% dos casos de suicídio estão associados a distúrbios mentais e, portanto, podem ser evitados se as causas forem tratadas corretamente.

Para não endossar comportamentos contra a vida, o E+ optou por não reproduzir na íntegra a fala de Carlinhos Maia. 

+++ Unicef e CVV lançam série de vídeos para prevenção do suicídio

+++ Produtores de conteúdo falam sobre saúde mental no YouTube e ajudam no combate ao suicídio

O psiquiatra José Alberto Del Porto, pós-doutor pela Universidade de Illinois (EUA) e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), explica que "a ideia de que o suicídio é um ato de liberdade e um exercício de livre arbítrio está errada".

"A doença mental limita a liberdade da pessoa e a capacidade de escolha. É importante lembrar que o suicídio está na maior parte das vezes atrelado a uma doença passível de tratamento e prevenção", alerta.

Busque ajuda

No Brasil, o Centro de Valorização da Vida (CVV) oferece atendimento 24 horas a quem está com pensamentos suicidas ou que enfrenta outros problemas.

"Mesmo que você não tenha certeza de que precisa de nossa ajuda, não tenha receios em entrar em contato com a gente. Um de nossos voluntários estará à sua disposição", explica a equipe do site.

O serviço pode ser acionado para um voluntário ir até a casa da pessoa ou conversar via chat, telefone ou e-mail. Acesse aqui.

Explicação de Carlinhos Maia

Carlinhos Maia usou os stories de seu Instagram na tarde desta segunda-feira, 2, para se explicar após a repercussão e as críticas por conta de seu comentário.

"Eu estava falando sobre fé! Óbvio, com o jeito Carlinhos de ser. Falo sobre os que são doentes de inveja, que já começam a vida querendo o que é do outro e não querendo lutar para conseguir", se justificou.

Na sequência, prosseguiu: "Então estou me perguntando: em qual momento falei sobre depressão? Eu estava falando sobre não desistir. Dei exemplos de pessoas mais velhas que sofreram e não quiseram o que é do outro, olhando a grama do vizinho!"

"Aqui eu falo sobre não ser fácil e cito que as pessoas têm que começar a vida e conversar com alguém com carga de vida para entender que todos temos problemas. Mas mesmo assim, não desistir", continuou.

Carlinhos Maia ainda fez questão de ressaltar que não se arrepende de sua fala: "Eu nunca estive tão leve na minha vida com a certeza de que é mais uma grande injustiça. Quem assistiu à reflexão todinha entendeu que não tinha nada a ver, não citei nada para ninguém de depressão."

"Eu finalizo minha reflexão dizendo: 'coloca Deus na frente e vai!'. Qual o contexto dessa reflexão? Não é quem tem distúrbio psicológico. É que você mal começou a vida e já quer o que é do outro, já acha que a sua vida não está perfeita, quer ficar olhando a grama do vizinho", afirmou.

Carlinhos Maia ainda chegou a publicar uma foto da campanha Setembro Amarelo, que anualmente reúne campanhas em prol da saúde mental e de prevenção ao suicídio.

Imagem sobre setembro amarelo postada por Carlinhos Maia

Imagem sobre setembro amarelo postada por Carlinhos Maia Foto: Instagram / @carlinhosmaiaof

O blogueiro voltou ao tema do que disse no primeiro story: "Pedi para dar um exemplo para que essas pessoas jovens simplesmente conversem com pessoas mais velhas para entender que a vida de todo mundo nunca foi fácil, mesmo assim elas não desistiram"

"Não falei isso diretamente para pessoa de 16 anos nenhuma. São coisas que eu recebo e fiz uma reflexão em cima. Mas sei que vão continuar achando o que querem e deturpando tudo. Porque tem gente que precisa despejar o ódio de todo jeito. Finalizo aqui. E esperarei a próxima polêmica!", complementou.

*Atualizada às 18h55 de 2 de setembro de 2019.