'As empresas não estão preparadas para lidar com denúncias', diz Su Tonani, assediada por José Mayer

Redação - O Estado de S.Paulo

Em evento da OAB-RJ, a figurinista falou que foi inibida por um delegado e que, por isso, decidiu não abrir um processo judicial

Ator José Mayer em cena de 'A Lei do Amor'.

Ator José Mayer em cena de 'A Lei do Amor'. Foto: Globo/Paulo Belote

Em março de 2017, a figurinista Su Tonani publicou um texto no blog #AgoraéQueSãoElas da Folha de São Paulo revelando o assédio sexual que sofreu de José Mayer. Dias após a denúncia, o ator admitiu o assédio e a Globo decidiu não escalá-lo para O Sétimo Guardião, próxima novela das 21h. Desde então, Su se manteve longe dos holofotes, mas na última terça-feira, 14, participou de um evento da OAB-RJ onde falou sobre o caso.

"Eu venho para representar não só uma história de assédio que ocorreu e que se tornou pública, mas também para lembrar que fui extremamente abraçada por um grupo de várias mulheres e foi isso o que fez meu relato ser ouvido. E como é importante a gente estar aqui discutindo esse assunto, como é importante levar para as empresas, levar para os órgãos públicos", começou a figurinista.

Em nenhum momento Su Tonani citou o nome de José Mayer, porém falou sobre a TV Globo. "A desculpa de 'eu fui criado por uma sociedade machista' não dá mais né? Não dá para lidar com um assédio como uma besteira, não dá para não entender mais o que é o assédio, o que provoca na pessoa que é assediada. Toda essa violência, toda essa agressão, todo esse lugar que impede uma mulher, que desmotiva uma mulher a ir trabalhar, que fala 'tem uma barreira pro seu sucesso, para sua liberdade. O seu corpo não é seu'", desabafou Su.

Questionada por uma repórter do Tv Fama, da RedeTV! por que não formalizou a denúncia de assédio na Justiça, Su explicou que foi pressionada por um delegado. "Eu fui extremamente inibida por um delegado que me perseguiu logo após a minha denúncia, que me intimou cinco vezes no meu endereço residencial com dois policiais, querendo me forçar a depor na delegacia dele. Eu tive que ir até a Defensoria Pública, que emitiu um ofício dizendo que, caso eu fosse entrar com uma ação, iria até uma Delegacia da Mulher para fazer isso", contou.

"Então imagina, mesmo eu sendo tão recebida e tendo toda uma rede de apoio, ainda teve um delegado que me perseguiu, imagina passar mais seis anos da minha vida tendo de falar para um judiciário machista o que tinha acontecido?", falou Su. Após a denúncia, Mayer inicialmente negou e, depois, admitiu o assédio, e a Globo também pediu desculpas.

Su disse que sua decisão de ir a público foi tomada justamente porque se tratava de uma pessoa pública. "Uma pessoa que é famosa talvez merecia um julgamento público", opinou a figurinista, que disse que não foi procurada nem pelo ator nem pelo advogado dele em nenhum momento.

Ela terminou sua fala dizendo que "as empresas não estão preparadas para lidar com denúncias de assédio sexual" e que não sabem o que fazer, e finalizou: "Um cara sabe o que ele está fazendo quando elogia sua bunda, quando fala do seu decote. A gente tem que denunciar não importa como, não importa quem seja [o assediador]. E que nossa união dê forças a todas as mulheres, porque eu fui muito abraçada".