Apaixonado, Jay Camilleri diz que relacionamento com Sam Smith é 'bom'

Bang Showbiz - O Estado de S.Paulo

Modelo ainda contou que ambos têm passado muito tempo juntos e citou projetos para o futuro

 

  Foto: Bang Showbiz

O relacionamento de Jay Camilleri com Sam Smith é "bom".

O modelo, de 25 anos, está apaixonado pelo cantor do sucesso Writing's On The Wall e acha que ele é "a pessoa mais linda que se possa imaginar".

Camilleri disse: "Ele é impressionante. Eu comentei sobre deixar a barba crescer e ele parece muito mais gostoso com ela. Ele trabalhou no último ano para estar onde está. A vida é boa. O relacionamento está indo bem".

Jay insistiu que não está usando a fama de Sam para fazer um nome para si mesmo, mas está ciente de que sua própria carreira tem prazo para acabar.

Sobre isso, ele afirmou: "É cedo ainda, mas Sam e eu temos passado muito tempo juntos, tomando uns drinks na Shoreditch House. As pessoas têm notado. Quero provar a mim mesmo que não sou o tipo de pessoa que quer se beneficiar da fama do outro, mas, vamos encarar os fatos, a modelagem não será uma carreira a longo prazo. Quero dizer, não sou David Gandy".

O astro do programa Dirty Sexy Things já sofreu de anorexia e está em campanha para aumentar a conscietização sobre o transtorno alimentar, algo que seu namorado famoso - que perdeu mais de 20 kg - também apoia.

Ao tabloide britânico Daily Mirror, Camilleri acrescentou: "Vivi um inferno por causa da anorexia e agora eu amo minha comida e ganho peso, se eu não tomar cuidado. Sam perdeu peso, mas ele é solidário. Estou produzindo um documentário sobre problemas de peso dos homens, já que isso realmente não tem sido debatido, e criei uma instituição de caridade sobre transtornos alimentares para amigos, familiares e pessoas que sofrem e não sabem como lidar com esse problema. Espero que Sam, que teve suas próprias batalhas contra o peso, seja o patrono".

 

Leia também no E+:

Era da sustentabilidade promove a maior revolução da indústria da moda

Sirtfood, a dieta que bomba nos Estados Unidos, pode não entregar o que promete