'A enchente que vivemos é a da corrupção', diz Samantha Schmütz sobre chuvas no Rio

Redação - O Estado de S.Paulo

Em foto de alagamento publicada pela atriz, seguidores concordaram com ela enquanto outros apontaram o excesso de lixo nas ruas como causa do problema

A atriz, cantora e humorista Samantha Schmütz.

A atriz, cantora e humorista Samantha Schmütz. Foto: Instagram/@samanthaschmutz

Enquanto o prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella culpa problemas histórias e falta de investimento federal pelas chuvas que atingem a cidade, a atriz e cantora Samantha Schmütz associa o problema à corrupção.

Uma foto de enchente publicada por ela em uma rede social mostra o nível elevado da água que cobre e arrasta carros em uma rua.

Ne legenda, ela falou do "descaso" e do "desrespeito" com quem paga impostos. Ela estaria se referindo a governantes e ao sistema público e político no geral.

"A enchente que vivemos é a da corrupção, do descaso, do desrespeito com a gente que paga os impostos e vê nosso dinheiro ser roubado na cara dura sem poder fazer nada. Esse descaso acaba com tudo, acaba com a nossa dignidade, nossos sonhos", disse Samantha.

Ela ainda fez um questionamento sobre o problema: "quem vai ressarcir as pessoas que perdem seus carros, seu sustento, suas casas, suas vidas? Está difícil demais suportar tanto abandono!"

Nos comentários, uma pessoa também fez um questionamento para a atriz: "E o povo que joga lixo na rua, não conta? Tem coisas que não é só culpa do sistema". Outro ponderou e concordou com as duas posições: "Concordo com tudo isso, somado a falta de educação da população que vive jogando lixo no chão, agredindo a natureza".

Chuvas no Rio de Janeiro

As fortes chuvas que caem sobre a capital carioca desde o início da noite de segunda-feira, 8, provocaram a morte de pelo menos três pessoas, interditaram diversas vias da cidade e provocaram alagamentos em todas as regiões da cidade.

temporal ainda derrubou árvores e destruiu carros em vários bairros. A cidade entrou em estágio de atenção às 18h35 de segunda-feira e às 20h55 passou para o estágio de crise — o mais grave de três níveis de risco, segundo a escala usada pela Prefeitura.