‘Zoom fatigue’: quando o home office pode levar à exaustão mental

João Pedro Malar* - O Estado de S.Paulo

Termo tem se popularizado na internet e está ligado às videoconferências; especialista dá dicas para evitar o cansaço ligado ao excesso de trabalho

Exposição prolongada a telas de computadores pode gerar sensação de exaustão mental

Exposição prolongada a telas de computadores pode gerar sensação de exaustão mental Foto: Freepik / Yanalya

A necessidade do isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus levou muitos profissionais a recorrerem ao chamado home office, traduzido como trabalho em casa. Mas a prática, acompanhada de reuniões por vídeo, tem gerado relatos de exaustão mental.

O cansaço gerado pelo excesso de videoconferências já inclusive recebeu nome: Zoom fatigue. O termo pode ser traduzido como cansaço do Zoom, e faz referência à empresa estadunidense que fornece serviços de chamadas de vídeo. 

Thaís Gameiro, neurocientista com doutorado na UFRJ e sócia da empresa de assessoria e educação corporativa Nêmesis, destaca que o termo é novo, se espalhou com a crise e tem motivado estudos sobre a relação entre uma quantidade alta de videoconferências e uma sensação de exaustão. A expressão vale para qualquer chamada de vídeo, incluindo pelo WhatsApp, Skype, Google Meet e outras plataformas.

Para ela, a grande causa do fenômeno é uma ausência de mudanças da rotina de trabalho para o mundo virtual. “A rotina de trabalho presencial foi substituída pela virtual, mas sem discussões sobre limitações e adaptações necessárias”, comenta Thaís.

As reuniões são exaustivas não apenas por serem feitas em grande quantidade e demorar mais tempo, mas também porque a tela de computadores e notebooks, e as imagens mostradas por eles, geram mais estímulos para o cérebro, que gasta mais energia para interpretá-los. É esse gasto de energia que gera a sensação de exaustão.

“A expectativa em torno do home office é que ele trouxesse mais qualidade de vida, mais tempo livre e menos cansaço físico ou mental ao economizar o tempo e processo de deslocamento”, observa Thaís, destacando que para muitos essa expectativa acabou não se confirmando.

A neurocientista alerta, porém, que o Zoom fatigue é diferente da chamada síndrome de Burnout. “O Burnout é uma exaustão por conta do trabalho, mas é um excesso de trabalho acompanhado de sentimentos negativos, como frustração, falta de retorno ou um ambiente de trabalho nocivo”, explica Thaís. Apesar do fenômeno ser recente, a princípio o Zoom fatigue não se associa a esses sentimentos negativos.

Além da exaustão, a exposição a telas por longos períodos de tempo também pode levar à dor de cabeça e dores musculares: a própria luz emitida por elas cansa, e também faz com que pisquemos menos, favorecendo um ressecamento e irritação dos olhos.  

Dores de cabeça e musculares também são consequência de longa exposição a telas de eletrônicos

Dores de cabeça e musculares também são consequência de longa exposição a telas de eletrônicos Foto: Freepik

“A dor de cabeça vem pelo excesso de funcionamento da parte cognitiva do cérebro, localizada principalmente na testa, já que ela funciona em uma velocidade e um tempo em que não estamos acostumados. Quando prestamos atenção na tela também tencionamos alguns músculos faciais, o que gera dor”, explica Thaís.

Mas como solucionar esses problemas? A neurocientista pondera que a solução depende das empresas e dos empregados. Para as empresas, ela considera que “é importante que os membros da área de recursos humanos possam conversar com os colaboradores, entender a situação deles e passar treinamentos para conscientizar a organização a respeito dos limites das pessoas”. 

Nesse sentido, medidas práticas que já ajudam são a diminuição de quantidade e da duração de reuniões por chamadas de vídeo. Elas podem ser substituídas por conversas via mensagens de texto, e-mails ou por áudios. A eliminação das imagens, que estimulam muito mais o cérebro que textos ou áudios, já reduz o trabalho do cérebro e evita a sensação de cansaço mental, evitando problemas para a equipe de trabalho e uma queda da produtividade.

Já o empregado deve identificar as mudanças na rotina que pode fazer para diminuir a fatiga. É importante focar em uma atividade por vez, já que fazer várias, ou pensar em várias, ao mesmo tempo gera cansaço. O uso de câmeras em reuniões pode ser limitado a situações de necessidade, também para retirar o estímulo das imagens em movimento na tela. Além disso, deve-se evitar passar todo o período de trabalho olhando para a tela do computador ou notebook, e procurar tirar alguns descansos esporádicos.

Expectativa x realidade

Para a neurocientista o cenário atual também está ligado a uma expectativa de que o home office traria mais produtividade para as pessoas, o que gera não apenas uma autocobrança, mas também uma exigência por parte das empresas.

“É importante lembrarmos que não é um home office tradicional, estamos no meio de uma pandemia, isolados, saindo pouco, e tudo isso estressa a gente. São elementos de dificuldade que competem pela atenção, isso afeta a disposição”, observa Thaís.

Nesse sentido, é necessário entender o que pode ser feito nas condições atuais, buscando não aumentar a produtividade, mas apenas mantê-la dentro do possível: “busque uma rotina que faz sentido para você, defina o que é essencial para o dia e o que pode passar para o outro dia caso não dê para entregar, e seja gentil consigo e suas dificuldades”.

*Estagiário sob supervisão de Charlise Morais