Voluntário reencontra bebê que resgatou de escombros na Síria

- O Estado de S. Paulo

Vídeo de Abu Kifah em ambulância, chorando com a criança de um mês no colo, ganhou as redes sociais em setembro; socorrista reencontrou o bebê 20 dias após o ataque aéreo

O pai Yehia Ma'artouk (esq.). Abu Kifah (meio) e a pequena Wahida Ma'artouk.

O pai Yehia Ma'artouk (esq.). Abu Kifah (meio) e a pequena Wahida Ma'artouk. Foto: Reprodução/Twitter

O voluntário Abu Kifah, de 22 anos, reencontrou o bebê que resgastou dos escombros de um prédio destruído por um ataque aéreo na cidade de Idlib, na Síria. Um vídeo do socorrista, no qual ele chora com a criança nos braços dentro de uma ambulância, percorreu as redes sociais no mês passado. O atentado ocorreu no dia 28 de setembro, em meio aos conflitos entre Síria e Rússia.

A pequena Wahida Ma'artouk, que agora tem dois meses de idade, ainda se recupera dos ferimentos e apresenta algumas cicatrizes. Segundo informações do Daily Mail, o socorrista viajou várias horas para chegar ao vilarejo da criança e vê-la novamente.

"Senti como se ela fosse mais uma vez minha filha. Segurei ela nos meus braços e a noite do resgate voltou para mim. Mas não chorei de novo", disse Kifah. "O pai dela estava feliz de nos ver. Estávamos juntos ali, e eu estava encantado de estar com eles". 

A imagem dos três no vilarejo foi postada na página do White Helmets (Capacetes Brancos, em inglês), serviço de defesa civil do qual Kifah faz parte. 

Yehia Ma'artouk, pai da pequena Wahida, ficou agradecido pelo resgate feito pelo voluntário. "Eu não tinha visto ele pegar minha filha (no dia do salvamento) e levá-la ao hospital, mas eu vi o vídeo depois e soube que ele é um grande homem", disse.

Wahida tem um irmão chamado Zakaria, que também vive com a família. A irmã deles, de três anos, morreu no ataque no qual Wahida foi salva. A família precisou se mudar e agora vive em uma situação difícil. ''Falei com o pai e eles estão vivendo numa grande, grande pobreza. Eu fiquei bem feliz de vê-los, mas eles não têm nada agora", relatou Kifah ao Daily Mail. 

Na gravação do resgate, é possível ver a correria de médicos e enfermeiros para amparar Wahida, limpá-la e fazer curativos.