Vítimas de assédio de Trump buscam reconhecimento e justiça

Redação - O Estado de S.Paulo

Com o movimento de denúncias de assédio sexual, elas acreditam que estejam sendo esquecidas

Mulheres que alegam ter sido assediadas por Donald Trump querem reconhecimento das suas denúncias e justiça pelos atos do presidente dos EUA

Mulheres que alegam ter sido assediadas por Donald Trump querem reconhecimento das suas denúncias e justiça pelos atos do presidente dos EUA Foto: Joshua Roberts/Reuters

Denúncias de abuso sexual cometido por artistas de Hollywood e políticos norte-americanos dominam a noticiário mundial nas últimas semanas. Desde que as primeiras denúncias contra o produtor Harvey Weinstein surgiram, um movimento foi criado na internet para denunciar abusos cometidos por pessoas em situação de poder.

Quem está fora dessa tempestade é Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, que recebeu várias acusações de assédio sexual durante sua campanha presidencial em 2016, mas que aparentemente foram ‘esquecidas’ neste ano. “As acusações parecem simplesmente escorregar para longe de Trump”, diz em entrevista para a revista People Jessica Leeds, que acusa Trump de tê-la assediado durante um voo na década de 1980.

“Eu sinto que esses casos estavam suspensos no ar durante o ano todo, mas não foram esquecidos”, disse Natasha Stoynoff, que acusa o presidente dos Estados Unidos de tê-la assediado em um dos seus clubes de golfe, em 2005. “Ficou cozinhando esse tempo todo, como uma panela de pressão. Mas agora que o calor aumentou, a panela vai ferver e explodir”, continuou.

Melinda McGillvray é outra mulher que alega ter sido assediada por Trump, em 2003. “Eu me senti como se tivéssemos sendo esquecidas e sem justiça, mas acredito que algum dia ele vai responder pelos seus atos”, disse. O momento pode estar perto: Summer Zervos, ex-participante do reality The Apprentice (O Aprendiz), entrou com uma ação contra Trump pedindo indenização sob a alegação que ele a assediou durante as gravações do programa, em 2007.

Trump sempre negou as acusações, as chamando de ‘fake news’ e mentiras criadas para tentar desestabilizar o seu mandato. Sobre o processo de Zervos, o advogado do presidente, Marc Kasowitz, disse para a People que é baseado em ‘eventos que nunca ocorreram’. “É assustador que vários dos apoiadores de Trump sejam tão teimosos que não consigam ver que o presidente é tão culpado quanto Roy Moore”, pontuou McGilvray.