Uso de celulares atrapalha sono de crianças, causa distúrbios e provoca mau desempenho escolar

Caio Nascimento* - O Estado de S.Paulo

Pediatra explica que luz azul emitida pelas telas inibe a secreção de hormônio que estimula a sonolência; dormir mal pode causar a perda de neurônios em crianças

Pais maleáveis com filhos que usam muito o celular podem incitar problemas neurológicos nas crianças.

Pais maleáveis com filhos que usam muito o celular podem incitar problemas neurológicos nas crianças. Foto: Pixabay / @Andi_Graf

O sono é uma atividade essencial durante a infância para prevenir problemas como déficit de atenção e dificuldades de aprendizado, mas nem todos os pais se atentam a isso ao pensar em seus filhos. A pequena Anna Vitória é um exemplo disso.

A menina, de seis anos, volta da escola no fim da tarde e se concentra em seu tablet, que ganhou da mãe, Vanessa Andrade, aos quatro anos. "Ela costuma ficar na internet até umas onze horas da noite e depois dorme. Eu fico tranquila, porque minha filha não precisa acordar cedo e ela é bastante esperta", relata.

No entanto, a mestre em Pediatria pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), Denise Katz, explica que esse hábito não pode ser naturalizado pela família. "Não é dormindo tarde que as crianças vão acordar mais tarde. Quando ela vai muito cansada para a cama, é provável que não tenha um sono tranquilo e acorde antes das horas necessárias para crescer e se desenvolver", afirma.

De acordo com Denise, isso acontece porque o menor tempo de descanso pode danificar as mitocôndrias - pequenas produtoras de energia para o organismo. Sem elas, o corpo ganha cansaço e a função celular diminui. "Além disso, a interrupção do sono causa a perda de neurônios importantes para manter o ciclo da vigília, que garante uma alternância saudável entre os período que a pessoa passa acordada e dormindo", explica Denise.

Como consequência, a pediatra conta que essas mudanças biológicas podem gerar irritabilidade, mau desempenho escolar e problemas de comportamento entre as crianças.

'Pais devem criar rotina com filhos'

Denise Katz alerta que um problema para o sono infantil é o uso frequente de eletrônicos. "A luz emitida pela tela afeta a percepção do cérebro sobre ser dia ou noite", afirma. Ela conta, ainda, que a luminosidade azul desses itens inibe a secreção de melatonina, hormônio que estimula o sono.

Casos assim se tornam ainda mais preocupantes ao se olhar as estatísticas. Dados do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic) alertam que 57% dos usuários de internet brasileiros entre nove e dez anos de idade acessaram a rede mais de uma vez por dia, em 2017.

O último levantamento do Comitê Gestor da Internet, de 2015, alerta que 82% das crianças e adolescentes usam o celular para acessar a web.

Para atenuar esse comportamento revelado nas pesquisas, a médica aconselha que os responsáveis criem rotina para os pequenos e retirem os eletrônicos das mãos deles uma hora antes de colocá-los para dormir.

'Quando ela vai muito cansada para a cama, é provável que não tenha um sono tranquilo e acorde antes das horas necessárias para crescer e se desenvolver', diz médica pediatra Denise Katz.

'Quando ela vai muito cansada para a cama, é provável que não tenha um sono tranquilo e acorde antes das horas necessárias para crescer e se desenvolver', diz médica pediatra Denise Katz. Foto: Pixabay / @iarunk

"As crianças gostam de estar acordadas e presentes na rotina dos pais. Criar um ritual pré sono pode ajudar para que esse momento [de levá-las para a cama] seja mais tranquilo e bem aceito", propõe. "Sugiro começar com um banho relaxante, seguido por um chá e histórias e músicas serenas", completa.

Ela também sugere que refeições nutritivas, tempos limitados de cochilo à tarde e hora definida para dormir virem regras na vida dos filhos.

Sonhos mais lúcidos envolvem saúde cerebral

A mestre em pediatria orienta que os responsáveis observem o sono do filho mais novo. "Um bebê de um ano deve dormir 14 horas no dia. Se ele dorme pouco pela manhã, deve compensar o resto à noite", instrui.

De acordo com a especialista, esse hábito se torna importante na medida em que metade dos pequenos entre dois e quatro anos experimentam um problema de sono no Brasil, e 4% deles têm insônia comportamental.

Esse distúrbio resulta em processos interrompidos de desenvolvimento cerebral. A pediatra explica que durante a fase do sono na qual ocorrem os sonhos mais realistas, por exemplo, acontecem processos de replicação de neurônios importantes para a saúde cerebral. "Por conta disso, as crianças devem dormir antes das 22h. O ideal é entre 19h e 20h", afirma.

*Estagiário sob a supervisão de Charlise Morais