Ursa polar morre após amiga ser transferida do SeaWorld

Redação - O Estado de S.Paulo

Szenja faleceu semanas após companheira ser alocada para reproduzir em outro parque

Imagem de Szenja, a ursa polar que morreu aos 21 anos 

Imagem de Szenja, a ursa polar que morreu aos 21 anos  Foto: SeaWorld via AP

Uma ursa polar de 21 anos, moradora do Parque SeaWorld, em San Diego, Estados Unidos, morreu nesta terça-feira, 18, semanas após outra ursa polar ser transferida para um programa de reprodução em outro parque. As duas moravam juntas no parque desde 1997 e eram consideradas 'melhores amigas'.

Segundo o Daily Mail, Szenja estava lenta e sem fome desde que sua amiga, Snowflake, havia sido transferida para um parque de outra cidade, no fim de fevereiro, a fim de engravidar.

Ao longo da vida, Szenja participou de uma série de estudos acerca dos hábitos e comportamentos hormonais de ursos polares, diz a NBC.

À época do anúncio da transferência de Snowflake, milhares de pessoas assinaram uma petição pedindo que ela ficasse no SeaWorld, sob o argumento de que os esforços para a reprodução seriam desnecessários - grande parte dos ursos polares nascidos em cativeiro morrem na infância. 

Em nota, o SeaWorld lamentou a morte da ursa. "Szenja era amada como membro da nossa família animal. É um dia muito difícil para nós", diz o texto. "Szenja não apenas tocou os corações daqueles que cuidaram dela nas últimas duas décadas, mas também das milhões de pessoas que tiveram a chance de vê-la em pessoa. Estamos orgulhosos de termos feito parte da vida dela e de saber que ela inspirou pessoas do mundo inteiro a proteger ursos polares na natureza". 

O parque afirmou que o corpo da ursa polar foi enviado para a autópsia e a causa da morte só será descoberta nas próximas semanas.

Já o PETA, organização de proteção dos animais, emitiu uma nota assinada pelo vice-presidente da entidade na qual diz que Szenja morreu por ter ficado com o coração partido. "Após perder sua amiga de 20 anos, Szenja fez o que qualquer um faria ao perder toda a esperança: desistiu. Isso deveria ser um aviso ao SeaWorld: parem de reproduzir e importar animais, fechem as exposições com animais e aposentem os que estão lá em santuários".