Uma lembrança triste nem sempre é ruim

Barton Goldsmith* - Tribune News Service

A vida não gira em torno do que perdemos, mas das experiências que acumulamos

Foto: Pixabay

O Facebook traz de volta velhas lembranças - e isso pode ser muito bom. Mas se você vir uma foto sua com o (a) ex, ou um post sobre uma perda, ou uma época ruim, isso pode desencadear pensamentos difíceis. Eu sei porque acaba de acontecer comigo. Fui lembrado de que há um ano minha cachorra estava chegando a seus últimos dias, e isso me deixou meio caído. No entanto, compartilhei com meus amigos, e acabou saindo esta coluna.

Embora a lembrança da perda seja triste, procurei lembrar também dos bons momentos da década em que estivemos juntos. Senti tristeza, mas também gratidão por ela ter feito parte de minha vida, com seu amor incondicional que ainda perdura. Me permito lembrar, e às vezes me refugiar, nos bons momentos que tivemos porque foram tão reais quanto a perda e também merecem ser curtidos.

Lembro-me também do dia em que o amor de minha vida morreu, 28 de dezembro. Nesse dia acendo uma vela e recordo quanto ela me deu, como fez de mim a pessoa à qual agora outros podem recorrer. Só tivemos dez anos juntos, mas foram fantásticos e venero cada momento deles.

Geralmente não me refugio no passado, mas algumas datas e lembranças desencadeiam respostas emocionais - é humano. Você também pode escolher como responder a elas. Sim, os primeiros pensamentos podem ser de tristeza, mas se você se permitir ficar preso a eles não perceberá as coisas boas que também estão lá. Na verdade, é muito simples. Sempre que se vir num momento de tristeza, simplesmente pense em pelo menos três coisas boas que você associa àquela lembrança. Dá para treinar isso. A verdade é que, se não houver coisas boas, é porque também não há tristeza.

Sentir melancolia não é mau, e não tentarei ocultar isso. Viva seus sentimentos, mas tanto os alegres quanto os tristes, de modo a encontrar o equilíbrio interno e seguir em frente. Todos lembramos de coisas que nos fazem tristes, todos já perdemos alguém ou alguma coisa que mudou nossa vida, e precisamos trabalhar isso. Bloquear uma lembrança triste impedirá você de ter de volta talvez algumas das melhores partes de sua vida.

Tudo bem ficar triste, mas por pouco tempo. Se durar mais de duas semanas, é bom procurar ajuda.

Velhas lembranças por vezes levam à depressão; portanto, é bom ficar de olho.

Uma das razões pelas quais escolhi meu campo profissional é que tenho muitos sentimentos. Aprender o que significam e não deixá-los me dominar faz minha vida melhor. Compreender as emoções mais profundas e cultivar a habilidade de expressá-las pode fazer do mundo um belo lugar. A vida não gira em torno do que perdemos, mas das experiências que acumulamos./Tradução de Roberto Muniz

* Barton Goldsmith, psicoterapeuta, é autor de O Casal Feliz: How to Make Happiness a Habit One Little Loving Thing at a Time (O casal feliz: como fazer da felicidade um hábito pouco a pouco)