São Paulo recebe primeiro festival de 'Slow Day' na cidade neste sábado

Camila Tuchlinski - O Estado de S.Paulo

Moradores da capital paulista são convidados a refletir sobre a pressa do dia a dia

 

As pessoas estão cada vez mais 'reféns' do tempo.

As pessoas estão cada vez mais 'reféns' do tempo. Foto: Unsplash/Elena Koycheva

Amanhece e você acorda com o despertador. Na noite anterior, já fez um roteiro cronológico do seu dia, praticamente minuto a minuto. Mas é preciso contar com um pouco de sorte: trânsito bom, que os compromissos durem exatamente o necessário, etc.

Somos reféns do tempo. E, em uma cidade como São Paulo, essa 'escravidão' fica mais evidente.

Contra isso, o Desacelera SP e a Unibes Cultural realizam o Dia Sem Pressa neste sábado, 22. Será o primeiro festival de cultura slow no Brasil. O movimento é inspirado no Slow Food, que prega uma maior apreciação da comida.

"Viver sem pressa não é necessariamente viver devagar, mas questionar a velocidade como norma e a pressa como regra", explica Michelle Prazeres, idealizadora e curadora do evento.

O Dia Sem Pressa está estruturado em oito temas: comer, fazer, pensar, brincar, viver, conviver, trocar e oferecer. Tudo sem pressa! Vida simples, solidariedade, economia criativa e consumo consciente estarão em pauta. 

 

Fesival de Cultura Slow: mesa da biodiversidade. 

Fesival de Cultura Slow: mesa da biodiversidade.  Foto: Fernanda Haucke

Haverá espaço para vivência de ioga, meditação, mindful, mindful eating, dança circular, rodas de diálogo, workshops e palestras, brincadeiras para adultos e crianças. O músico Chico Salem encerrará as atividades com um show intimista. A idealizadora do Festival de Cultura Slow, Michelle Prazeres, conversou conosco sobre o evento.

 

Você acredita que os paulistanos e aqueles que vivem em São Paulo conseguirão desacelerar?

Sim! Desacelerar é pra todo mundo! O desafio que escolhemos enfrentar no Desacelera SP é justamente este. Uma das escolhas que as pessoas fazem para desacelerar é sair da cidade grande. São Paulo é uma cidade com múltiplas possibilidades, inclusive desacelerar. Desde que começamos o projeto, com um Guia que mapeia lugares, projetos e iniciativas conectadas com o conceito slow na cidade de São Paulo, percebemos que existe um movimento consistente e robusto de pessoas que querem desacelerar sem sair da cidade. Desacelerar não é ser devagar ou lento, mas problematizar a pressa e a velocidade e perguntar quando elas fazem sentido e quando não fazem. E a partir desta reflexão, fazer boas escolhas de tempo, envolvendo as suas prioridades e não necessariamente as urgências externas, do mundo. Desacelerar tem a ver com estar presente, com atenção plena, priorizar as relações prioritárias, conviver, cuidar, pensar na suficiência do que se consome, consumir menos, ter simplicidade e desfrutar. Na relação com a cidade, tem a ver com reduzir os ruídos da pressa e estar bem e presente onde se está e com quem se está. Mesmo que a velocidade em alguns casos seja necessária. Nesse sentido, todo mundo pode desacelerar. É uma escolha possível mesmo para quem tem uma vida muito corrida.

As exigências do dia a dia impedem as pessoas de repararem em certas coisas? Se sim, quais?

Sim. A pressa e a velocidade fazem com as pessoas deixem de estar presentes e atentas, muitas vezes a detalhes que parecem detalhes, mas que são as coisas mais importantes. Isso, em especial na relação com as tecnologias. Elas em geral fazem com que a gente se dedique a tarefas de trabalho ou que não estejamos de fato presentes e sim compartilhando a presença com a telepresença, e divididos, nunca estamos plenos. Existe um livro chamado As coisas que você só vê quando desacelera. Este livro fala das singularidades, das singelezas, das delicadezas do mundo, que só reparamos quando estamos presentes e atentos e plenos a cada momento, por mais singelo e simples que ele pareça.  Quando a gente desacelera, a gente começa a ativar a nossa percepção para outros sentidos. Na realidade, trata-se de uma escolha pela humanização das relações. Desacelerar nos faz enxergar as pessoas por trás das coisas. 

Quais são as culturas 'slow' que podemos citar?

São muitas as vertentes do movimento. Ele é um movimento amplo e global (slow movement), que começou com o Slow Food na década de 1980, em contraposição ao Fast Food. Depois que o slow food falou da retomada do "slow, small and local", outros campos da sociedade começaram a se inspirar neste movimento. E nasceu o slow cities, slow kids, slow education, slow media, slow medicine, slow fashion etc...Eu pesquiso a educação devagar (slow education) e a comunicação devagar (slow media) na minha pesquisa de pós-doutorado. São movimento que despontam como contraculturais, mas que hoje se apresentam como "tendências" ou inovação. O mundo começa a perceber que chegamos a um ponto em que não podemos mais crescer. Precisamos apostar no decrescimento para que consigamos superar uma crise sistêmica que apontou para o limite do nosso planeta.

Acompanhe a programação do Festival de Cultura Slow:

PROGRAMAÇÃO DO PÁTIO UNIBES (Rua Oscar Freire, 2.500, Sumaré, São Paulo, ao lado da estação Sumaré do metrô)

a partir das 10:00 Cabines de cochilo

10:00 Laboratório de Afetos

10:00 Abertura e boas vindas - Prática aberta de Yoga

10:30 Feira de trocas de brinquedos

10:30 Oficina de Horta em vasos freáticos

10:30 Oficina de carimbos e cadernos

10:30 Musicalização (para crianças)

11:15 Pensata Criança, consumo, tempo e infância

11:30 Vivência de Mindfull eating

11:30 Atividades físicas para crianças

12:30 Roda de diálogo sobre slow medicine

12:45 Pensata Viver em São Paulo: Mobilidade Urbana

13:30 Música para estar

14:00 Vivência de Movimento Consciente

14:30 Brincadeiras tradicionais (crianças)

14:30 Oficina de tear Manual

14:30 Oficina de estamparia Manual

14:45 Pensata Indicador de Bem Viver e Convivência

15:00 Cantinho das sementes mágicas

15:00 Vivência de Mindfulness

15: 30 Bate-papo "Pausar: o sono e o descanso na vida moderna"

15:30 Arte livre (para crianças)

15:45 Pensata "Dá pra ser feliz agora?"

16:15 Pensata "Tempo, gestar e nascer"

16:35 Pensata "Slow para sua vida"

16:00 Roda de diálogo Narrativas afetivas

17:00 Meditação

18:00 Apresentação Musical de Chico Salem

19:00 Encerramento

PROGRAMAÇÃO CONTÍNUA DO PÁTIO UNIBES

Kombi dos sonhos (Slow kids)

Experimento de conexão e escuta ativa (com La Gracia Design)

PROGRAMAÇÃO DA SALA MULTIUSO (2o andar)

10:30 Workshop "Quais são os gatilhos que te fazem perder a Calma e como lidar com eles"

11:45 Experiência com projeto imersões noturnas e bate papo com o autor

14:30 Vivência de dança circular

15:45 Vivência de diagnóstico da curadoria humana

Programação ao ar livre

Caminhada desbravadora: o nosso parceiro Desbravadores de Sampa conduzirá os participantes de uma região central, com barulho e grande movimento a uma região tranquila onde o som mais frequente é dos cantos dos pássaros na região do Pacaembu. O percurso se iniciará na estação Santa Cecília e finalizará na Unibes Cultural (ao lado da estação Sumaré), onde o evento vai acontecer durante todo o dia.

Horário: saída às 14h (chegada na Unibes às 17h) | Ponto de encontro: Estação Santa Cecília | Modalidade: caminhada | distância: 4km.