Pornografia pode deixar homem impotente

Redação - O Estado de S.Paulo

Mesma relação entre conteúdo e desempenho sexual não ocorre entre as mulheres

Maior consumo de pornografia pode causar impotência e disfunções sexuais no homem, afirma estudo da Associação Americana de Urologia

Maior consumo de pornografia pode causar impotência e disfunções sexuais no homem, afirma estudo da Associação Americana de Urologia Foto: PIxabay

Se grandes consumidores de conteúdo pornográfico, os homens podem estar mais sujeitos a impotência sexual. Segundo estudo da Associação Americana de Urologia, isso acontece porque o alto consumo deixa os homens tolerantes aos estímulos sexuais, e assim eles já não ficam excitados. A relação entre pornografia e queda do desempenho sexual não foi obsevada nas mulheres. 

A pesquisa feita com 300 homens entre 20 e 40 anos relacionou a frequência de consumo de pornografia à presença de disfunções sexuais. Quanto maior o consumo, mais frequente são as disfunções.

Para Matthew Christman, parte da equipe da clínica de urologia Naval Medical Center em San Diego, a maior exposição ao conteúdo pornográfico deixa os homens mais 'tolerantes' aos estímulos. "Tolerância poderia explicar a disfunção e a preferência por pornografia em vez do próprio ato sexual", disse Christman à publicação HealthDay.

Segundo Joseph Alukal, porta-voz da Associação Americana de Urologia, "estímulo visual sempre aprimora o apetite sexual de homens e mulheres, mas quando a maior parte da experiência é visual, é como se os homens perdessem o interesse pelo 'mundo-real' do sexo". 

"Sexo é metade corpo e metade mente, e talvez a disfunção não seja de componente físico, mas sim psicológico. É importante que  os médicos entendam alguns motivos para, então, sugerirem tratamentos mais adequados", afirma  Alukal.

Em paralelo à pesquisa sobre o desempenho sexual masculino, uma pesquisa concluiu que não há relação entre o consumo de pornografia e as disfunções sexuais femininas. 

Entre as mulheres, 68% acessam o conteúdo pornográfico pela internet e 55% pelo celular. Quanto aos homens, 72,3% assistem a pornografia na internet e 62,3% no celular.