Polícia vai até funeral para desbloquear celular de morto

Redação - O Estado de S.Paulo

Detetives usaram a impressão digital de um suspeito para liberar acesso ao seu aparelho

A polícia da Flórida foi até um funeral para usar a impressão digital do morto para desbloquear seu celular

A polícia da Flórida foi até um funeral para usar a impressão digital do morto para desbloquear seu celular Foto: Pixabay/carolynabooth

A polícia da Flórida, nos Estados Unidos, fez algo inusitado para avançar uma de suas investigações: foi até uma casa funerária para usar o dedo de uma pessoa morta para desbloquear seu celular.

Linus Phillip, 30, foi morto pela polícia de Largo, na região metropolitana de Tampa Bay, após fugir de uma abordagem policial no mês de março. Dois detetives foram até o funeral de Linus e usaram sua digital para desbloquear seu celular como forma de avançar as investigações sobre o caso.

A noiva de Phillip, Victoria Armstrong, disse ao jornal Tampa Bay Times, que se sentiu violada e desrespeitada pela polícia. Não há leis na Flórida que proíbam a polícia de fazer isso, mas especialistas consultados pelo jornal questionaram a moralidade da decisão.