O câncer de mama e as 'despeitadas'

Roni Caryn Rabin - The New York Times

Algumas pacientes estão optando por recusar o conselho dos doutores e as convenções sociais, preferindo ficar sem os seios após a mastectomia; entenda

  

   Foto: Reprodução/Facebook Flat and Fabulous

Antes da cirurgia para remover o câncer de mama de Debbie Bowers, o médico dela prometeu que o seguro pagaria pela reconstrução, e disse até que ela poderia "até aumentar o número do sutiã". Mas Debbie não queria implantes de silicone nem seios maiores. "Depois de ser diagnosticada com câncer, a última coisa que eu queria era algo estranho no meu corpo", disse Debbie, 45 anos, de Bethlehem, Pensilvânia. "Queria apenas ficar boa."

Enquanto oncologistas e cirurgiões promovem agressivamente a reconstrução das mamas como forma de fazer as mulheres "voltarem a se sentir inteiras", alguns médicos dizem que começam a encontrar resistência à cirurgia. Pacientes como Debbie estão optando por recusar o conselho dos doutores e as convenções sociais, preferindo ficar sem os seios após a mastectomia. A decisão de não fazer a reconstrução rendeu a elas até um apelido: as "despeitadas".

"A reconstrução não é um processo simples", disse a Dra. Deanna J. Attai, cirurgiã de mama que mora em Burbank, Califórnia, e ex-presidente da Sociedade Americana de Cirurgiões de Mama, acrescentando que um número cada vez maior de pacientes tem optado por não fazer a reconstrução, especialmente as mulheres que já tinham seios pequenos. "Algumas mulheres acham que é demais: exige muito envolvimento, são muitas etapas, o processo é longo."

As mídias sociais permitiram que essas mulheres tratem com mais abertura a decisão de viver sem seios, bem como os desafios que enfrentam, físicos e emocionais. Num vídeo recente criado pela plataforma de mídia social wisdo.com, muito compartilhado no Facebook, Debbie e sua amiga Marianne DuQuette Cuozzo, 51 anos, tiraram a camisa para mostrar o peito chato e as cicatrizes. E Paulette Leaphart, 50 anos, moradora de Nova Orleans com um problema de coagulação que a impediu de fazer a reconstrução depois de uma mastectomia dupla, caminhou sem camisa de Biloxi, Mississippi, até Washington durante o verão mais recente para conscientizar as pessoas a respeito das dificuldades financeiras enfrentadas pelos pacientes com câncer."Não são os seios que fazem de nós mulheres", disse Paulette.

O incipiente movimento das "despeitadas" que não fazem reconstrução após a mastectomia desafia antigos pressupostos da feminilidade e do significado da recuperação após o câncer de mama. Durante anos, os profissionais da medicina adotaram a ideia segundo a qual a reconstrução dos seios seria uma parte integral do tratamento contra o câncer. Os defensores da saúde da mulher lutaram pela aprovação da Lei dos Direitos da Mulher com Câncer à Saúde, conquistada em 1998, exigindo que os planos de saúde cubram as despesas com próteses e procedimentos de reconstrução.

Desde então, a reconstrução mamária se tornou procedimento padrão. Mais de 106 mil procedimentos do tipo foram realizados no ano passado, aumento de 35% em relação a 2000, de acordo com a Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos. Embora não seja conhecida exatamente a proporção de mulheres que optam pela reconstrução após a mastectomia, um estudo revelou que, em 2011, 63% das mulheres candidatas ao procedimento optaram por realizá-lo. Em certas regiões dos Estados Unidos, o número é próximo de 80% atualmente.

Ao promover a cirurgia, os médicos citam estudos indicando que a cirurgia de reconstrução melhora a qualidade de vida da mulher após o câncer. Mas algumas delas dizem que os médicos se concentram demasiadamente na aparência física, e pouco no desgaste que os prolongados procedimentos de reconstrução trazem para o corpo e a mente. Até um terço das mulheres que fazem a reconstrução passa por complicações. Uma análise sistemática de 28 estudos revelou que as mulheres que preferiram não fazer a reconstrução não tiveram destino pior - em certos casos, tiveram resultados melhores em termos de imagem corporal, qualidade de vida e desempenho sexual.

"Eis o segredinho da reconstrução mamária: o risco de uma grande complicação é mais alto do que no caso de outras cirurgias facultativas", disse a Dra. Clara Lee, professora-assistente de cirurgia plástica na Universidade do Estado de Ohio e habituada ao procedimento.

Marianne, que apareceu no vídeo do Facebook ao lado de Debbie, passou um ano reconstruindo os seios após uma mastectomia dupla, mas, depois de quatro infecções em cinco meses, ela preferiu remover os implantes. De acordo com ela, "a reconstrução estava pior que o próprio câncer."

Embora alguns estados americanos (Nova York, por exemplo) exijam agora que os médicos contem às mulheres a respeito da disponibilidade da reconstrução mamária, elas dizem que raramente são informadas da opção de ficarem despeitadas. "Nunca me disseram que havia escolha", disse Marianne. "Fui do cirurgião mamário para o cirurgião plástico, e eles disseram, 'É isso que você vai fazer'."

David H. Song, diretor de cirurgia plástica da Universidade de Chicago e até recentemente presidente da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos, disse que o risco de complicações é real, mas concentrar-se nele é como pensar em acidentes aéreos quando "milhões de pousos são feitos com segurança".

Levando em consideração os avanços nas técnicas cirúrgicas, "o resultado estético pode ser melhor que o seio original", disse o Dr. Song. "As pacientes podem chegar ao fim do procedimento com aparência mais jovem do que antes, com seios ainda mais bonitos."

Mas esse tipo de opinião - supondo que um seio reconstruído seria melhor que o seio natural da mulher - enfurece muitas mulheres que passaram pela mastectomia. Para começar, um seio reconstruído costuma carecer de sensibilidade e não pode mais desempenhar um papel na excitação sexual. Muitas vezes falta o mamilo, já que este costuma ser removido na mastectomia.

Depois de ver fotos de seios reconstruídos, "Fiquei um pouco horrorizada", disse Charlie Scheel, 48 anos, do Brooklyn, que decidiu não fazer os implantes depois da mastectomia dupla. "Faltam os mamilos e há cicatrizes por toda parte."

  

   Foto: Reprodução/Facebook Flat and Fabulous

Rebecca Pine, de Long Island, que sobreviveu ao câncer, é cofundadora de um projeto de fotografia e texto chamado The Breast and the Sea. Para ela, "Isso exige muito do corpo, e a realidade é que os seios não vão voltar".

Agora com 40 anos, ela fez a reconstrução após a primeira mastectomia, mas posteriormente pediu a remoção da prótese quando optou por uma mastectomia profilática na outra mama. "Na maioria dos casos, o novo seio não parece o antigo, e a sensação é outra", disse ela. "Os nervos são cortados e, por isso, não sentimos o toque."

A Dra. Susan Love, autora de um best-seller a respeito de saúde das mamas, disse que os médicos interessados em ampliar o acesso a procedimentos de reconstrução podem ter exagerado em seu entusiasmo com a cirurgia. "Os cirurgiões se tornam muito orgulhosos do que são capazes de fazer, e às vezes parecemos esquecer que nem todo mundo deseja seguir esse rumo", disse Susan.

Marisa C. Weiss, fundadora do site breastcancer.org, disse que os médicos não deveriam supor que todas as pacientes querem reconstruir as mamas. "Já recebi dançarinas exóticas que não quiseram a reconstrução, e também freiras que diziam, 'Preciso reconstruir os seios'", disse ela.

Algumas mulheres dizem que os médicos as pressionaram para que fizessem os implantes. Quando Catherine Stapleton, da Flórida, acordou após a mastectomia, ela descobriu que sua cirurgiã tinha deixado sobras de pele e tecido que poderiam ser usadas posteriormente para a reconstrução das mamas, caso ela mudasse de ideia. "Acordei da anestesia e fiquei chocada", disse Catherine, 58 anos, que agora passa por novas e substanciais cirurgias para corrigir o procedimento inicial.

Geri Barish, presidente do grupo 1 in 9, de Long Island, disse que um médico a repreendeu quando ela optou por não fazer a reconstrução. "Um deles me disse, 'Vai andar por aí assim? Parece deformada'", lembrou ela.

Grupos de apoio e mídias sociais permitiram que as mulheres compartilhassem histórias da realidade da reconstrução. "Muitas das mulheres do grupo de apoio tiveram infecções, e ficaram surpresas com o número de cirurgias necessárias", disse Alicia Staley, 45 anos, que ficou despeitada após uma mastectomia dupla. "Comparando outras experiências à minha, pensei, 'Por que todas essas mulheres fazem isso consigo?'"

Conviver com a realidade do peito liso após o câncer de mama pode ser difícil. Se algumas mulheres usam próteses no sutiã, é comum que deixem de fazê-lo. "São pesadas, desconfortáveis, e cobrem uma área sensível, com cicatrizes", disse Rebecca.

As mulheres dizem que levam muitas das roupas que usavam antes a campanhas de caridade, passando a usar lenços e colares mais longos para ocultar o peito. Outras tentam aceitar as novas formas do corpo fazendo tatuagens elaboradas no lugar dos seios. Rebecca tatuou uma flor de lótus de um lado, e do outro, uma libélula.

Sara Bartosiewicz-Hamilton, 39 anos, redatora técnica de Kalamazoo, Michigan, experimentou dois tipos de implantes, mas não se livrou de uma sensação de queimação, e acabou optando por removê-los. Então ela fundou um grupo virtual de apoio chamado Flat and Fabulous. "Não somos contra a reconstrução", disse ela. "Mas muitas mulheres sentem que aquilo não pertence ao seu corpo."

Para Kate Cloudsparks, 64 anos, agricultora do sul de Iowa que ficou despeitada desde a mastectomia preventiva feita há 21 anos, a descoberta da página do Flat and Fabulous no Facebook este ano possibilitou que ela se comunicasse pela primeira vez com outras mulheres que fizeram a mesma escolha.

"Não conhecia mais ninguém como eu. Carreguei esse peso por 20 anos sem ter com quem dividi-lo",disse ela. "Finalmente, encontrei uma oportunidade de conversar a respeito de como é ser uma mulher sem os seios".