Nova York terá centro de acolhida para vítimas de violência doméstica que aceita animais

Redação* - O Estado de S.Paulo

Prédio foi concebido para possibilitar o máximo conforto e a melhor recuperação tanto para as pessoas quanto para seus pets

Vítimas receiam fugir de seus agressores e deixar animais de estimação para trás

Vítimas receiam fugir de seus agressores e deixar animais de estimação para trás Foto: Pixabay/@Capri23auto

A cidade de Nova York abrirá, em outubro, um grande centro de acolhida para vítimas de violência doméstica que aceitará animais de estimação. Medida supre uma demanda das vítimas e lhes dá mais segurança para fugirem de seus agressores.

O centro terá capacidade para cem pessoas. Como foi pensado para também abrigar animais, muitas das características das acomodações fornecem o máximo de conforto não só para os donos, mas também para os animaizinhos.

“Ao fazer isso, daremos condições para uma recuperação total tanto para os pets quanto para a família inteira”, disse Kurt Venator, veterinário que está contribuindo com o projeto.

Estudos apontam que há ligação entre violência doméstica e crueldade animal e que muitas vítimas relutam em sair de casa porque receiam que seu bichinho de estimação possa ser alvo de retaliações.

As comodidades do prédio incluem: um parque particular, para que as vítimas possam passear com seus animais sem medo de encontrarem seus agressores; janelas com abertura que não possibilita aos gatos escaparem, reduzindo o risco de quedas; chão nem muito escorregadio nem muito áspero para as patas dos bichinhos; e paredes com cores que não incomodam os olhos dos animais.

O abrigo será financiado por meio de doações privadas e apoio governamental, enquanto a gestão ficará sob tutela do instituto Urban Resource, instituição que promove a criação de centros para vítimas de abuso que aceitam animais. Eles já deram lar a 118 animais entre cães, gatos, tartarugas, pássaros, peixes, um porquinho da Índia e um lagarto.

 

*Com informações da Associated Press