Menino de 1 ano abraça desconhecida ao reconhecer anomalia congênita semelhante

Redação - O Estado de S.Paulo

Tanto Joseph como Amy nasceram com uma condição genética que fez com que um de seus braços não se desenvolvesse por completo no útero

Joseph Tidd abraçou Amy Alamillo Siesel ao perceber que ela tinha a mesma anomalia congênita que ele

Joseph Tidd abraçou Amy Alamillo Siesel ao perceber que ela tinha a mesma anomalia congênita que ele Foto: Lucky Fin Project/ Facebook/ Reprodução

O pequeno Joseph Tidd, de 1 ano, nunca tinha visto Amy Alamillo Siesel antes. Mas a conexão com a 'amiga' foi imediata, quando o bebê percebeu que a mulher de 34 anos tinha a mesma deficiência que ele. Da empatia, surgiu um longo e generoso abraço, que emocionou os presentes e viralizou nas redes sociais.

Tanto Joseph como Amy nasceram com uma condição genética que fez com que um de seus braços não se desenvolvesse por completo no útero. E foi em um encontro organizado pela Lucky Fin, uma organização de apoio a pessoas com deficiência física, em Orlando, na Flórida, que eles se conheceram.

 

"Nós não publicamos muitas coisas com frequência, mas este vídeo de Joseph é muito doce para não compartilhar. Ele sentiu uma conexão com Amy imediatamente!", escreveu Colleen Miles Tidd em seu Facebook. "Ele pode ser apenas um, mas ele sabia ... Ele sabia que eles [outros participantes] também tinham 'barbatanas da sorte' e percebiam o quão especiais todos eles eram. Obrigado senhoras e para todos aqueles que vieram hoje. Foi fantástico!", completou.

"Quando ele começou a andar para mim, eu derretei em um milhão de pedaços", afirmou Amy.