Menina de nove anos processa coro de meninos em igreja alemã por viés de gênero

David Rising - Associated Press

Grupo é um dos mais renomados do país, fundado em 1465, e nunca admitiu garotas

A Catedral de Berlim, na Alemanha.

A Catedral de Berlim, na Alemanha. Foto: Paul Zinken/dpa via AP

Uma menina de nove anos está processando um coral de meninos de Berlim, na Alemanha, argumentando que ela não foi aceita no grupo por causa de seu gênero, em um caso que provocou debates sobre direitos iguais versus liberdade artística.

O Coro do Estado e da Catedral é um dos mais renomados da Alemanha, fundado em 1465 por Frederico II de Brandemburgo. Ao longo dos seus 554 anos, nunca admitiu garotas.

A menina, cuja identidade não foi revelada para proteger sua privacidade, fez uma audição com o coral em março e foi rejeitada, de acordo com a corte administrativa de Berlim que decidirá o processo na sexta-feira, 16.

O coro sustenta que a rejeição da garota não era “predominantemente sobre o sexo dela” e ela teria sido convidada a participar se demonstrasse um talento extraordinário e motivação e “se sua voz combinasse com as características sonoras desejadas de um coro de meninos”.

A mãe da menina, que apresentou a queixa em nome de sua filha, argumenta que a rejeição do coral é discriminatória “de uma forma não permitida” e viola seu direito à igualdade de oportunidades de uma instituição que recebe fundos do Estado.

A musicóloga de Berlim Ann-Christine Mecke disse à TV ZDF que a diferença entre vozes de garotos e garotas é audível e mensurável. No entanto, segundo ela, essa discrepância é “menor do que muitos alegam”. Mecke espera que o caso leve a mais oportunidades para as meninas e uma consideração “mais objetiva” das vozes de meninos e meninas com “menos clichês e mitos”.

Abbie Conant, uma trombonista americana que enfrentou discriminação como mulher quando começou a tocar com a Filarmônica de Munique em 1980, disse que vários estudos mostram que “até músicos profissionais não conseguem ouvir a diferença entre um coral de meninos e meninas cantando o mesmo repertório. "

Conant, que deixou a Filarmônica em 1993 e agora leciona na Universidade de Música de Trossingen, na Alemanha, disse à AP que os meninos de outros países, como a Inglaterra, já se abriram para ambos os sexos sem lutas legais.

Cerca de 250 meninos e jovens entre cinco e 25 anos pertencem aos onze grupos de coral do Estado e do Coro da Catedral. Eles se apresentam na catedral da cidade e visitaram a Europa, os Estados Unidos, o Japão, a Rússia e Israel.

Meninos entre cinco e sete anos sem experiência musical e mais velhos experientes podem fazer um teste e receber treinamento qualificado gratuito se forem aceitos, de acordo com o site do coral.