Jovem dá lição sobre autoconfiança em relação ao corpo

Redação - O Estado de S.Paulo

'Mesmo com todas as minha inseguranças, com minhas cicatrizes e meu corpo no geral, eu nunca fui a garota que fica de lado', escreveu Michelle em seu Instagram

Jovem usa as redes sociais para incentivar os outros a amarem seus corpos

Jovem usa as redes sociais para incentivar os outros a amarem seus corpos Foto: https://www.instagram.com/mindsetforlifeltd/

Michelle Elman, uma jovem do Reino Unido, tem como objetivo de vida transmitir uma mensagem: é preciso estar seguro com seu corpo! Em seu Instagram, ela postou fotos suas sem blusa e um vídeo pulando em um lago e um texto em que fala sobre como é ser 'a menina gorda' do grupo. 

"Ela é a que senta ao lado, nunca participa. Ela é eternamente solteira e fica quieta enquanto as amigas discutem sobre o amor da sua vida", escreveu Michelle. Ela, que é formada em psicologia e coach de confiança no corpo, no entanto, não se sente afetada pelos estereótipos. 

"Desde os 11 anos eu sempre fui a 'amiga gorda', mas eu nunca fui essa menina. Mesmo com todas as minhas inseguranças com minhas cicatrizes e meu corpo no geral, eu nunca fui a garota que fica de lado - eu me recuso por causa do meu orgulho e do meu ego", afirma. 

Michelle afirma que conhece várias garotas, magras e gordas, que perderiam oportunidades de pular em lago por insegurança, e isso é o que a incentiva a ser positiva em relação ao seu corpo. "Positividade em relação ao corpo não é sobre tirar fotos de roupa íntima, é sobre não deixar a sua roupa íntima ser a razão pela qual você não está participando", declarou. 

Na opinião de Michelle, quem tiver as pessoas certas ao redor nunca se sentirá como a 'amiga gorda'. 

Conhecida na internet por seu projeto Scarred Not Scared, em tradução livre, com cicatrizes, não com medo, a jovem passou por 15 cirurgias por causa de um tumor no cérebro e outras complicações. Ela decidiu compartilhar sua história nas redes sociais para incentivar outras pessoas a aceitarem seu corpos. 

 

There's a stereotype around being the "fat girl" in a friendship group. She's the one who sits on the sidelines and never joins in. She's the one perpetually single and sits silently while all her friends discuss their love life because god forbid, if she actually find a boyfriend, she would never be comfortable naked or in the bedroom. She's the insecure one, the one constantly complaining about her body and talking about diets. I couldn't call bullshit more on this stereotype. Since the age of 11, I have always been the "fat" friend but I have never been THAT girl. Even with all my insecurities around my scars, and my body in general, I was never the girl who sat inside - I refused to because of my pride and ego and my surgeries never let me be the person who missed out on life. The difference between now and then is that there's no hesitation, there are no second thoughts and when my friend suggested jumping in the Fjord, I was all "Hell yeah!". Before I would have said yes reluctantly, spent the time hiding as much of my body as possible until the last moment, definitely worn a top and definitely wouldn't have taken photos, let alone been in them. Now, I'm the one suggesting photos, I was the first to whip off my top and the thought that my body was different wasn't there. The fact that I know many girls, fat or skinny, would miss out on opportunities like this is what fuels my body positivity. Body positivity isn't about being able to take underwear selfies, it's about not letting your underwear or your swimsuit be the reason you aren't taking part. And ultimately when you are around the right people, you won't EVER feel like the "fat friend". I don't look at these pictures and see me as the odd one out. I look at the pictures and see the memories and the three bodies that we had fun in! #ScarredNotScared Swipe for a video of me high pitch screaming as I jump in!

Uma publicação compartilhada por Michelle Elman (@mindsetforlifeltd) em