Internautas questionam baixo número de Grammys dados a mulheres

Redação - O Estado de S.Paulo

Alessia Cara foi a única artista a receber uma premiação individual na parte da cerimônia que é televisionada

Alessia Cara ganhou o prêmio de artista revelação no Grammy

Alessia Cara ganhou o prêmio de artista revelação no Grammy Foto: Carlo Allegri / Reuters

Em tempos em que se discute mais igualdade entre os sexos na arte e no entretenimento, o Grammy, maior premiação da indústria fonográfica, foi marcado pelo fato de Alessia Cara ser a única mulher a ganhar um prêmio individual durante a parte da cerimônia que é transmitida pela televisão.

O Grammy ocorreu na noite desse domingo, 28, e Alessia ganhou na categoria artista revelação. Lorde concorria pelo prêmio de melhor álbum, mas não venceu e foi a única indicada nessa categoria a não se apresentar ao vivo na premiação (Os outros, Jay-Z, Kendrick Lamar, Bruno Mars e Childish Gambino, tiveram performances ao vivo).

A premiação possui uma etapa que não é televisionada na qual algumas artistas ganharam. Entre elas estão Lisa Loeb, Reba McEntire, Aimee Mann e Carrie Fisher.

Do total de 84 prêmios, apenas 11 tiveram vencedoras mulheres. A falta de representatividade não é exclusividade desse ano. Um relatório feito pela Annenberg Inclusion Initiative da Universidade do Sul da Califórnia apontou que apenas 9% de todos os 899 indicados ao Grammy entre 2012 e 2017 foram mulheres.

Muitos internautas criticaram a pequena quantidade de prêmios recebida por mulheres. O presidente da Academia, Neil Portnow, disse à Variety que a mudança deve começar pelas mulheres.

“Deve começar com as mulheres, que têm a criatividade em seus corações e almas, que querem ser músicas, que querem ser engenheiras, produtoras e querem fazer parte do alto escalão da indústria”, disse.

“Eu acho que elas seriam bem-vindas. Eu não tenho experiência pessoal sobre os empecilhos que vocês enfrentam, mas acho que é uma combinação. Nós, enquanto indústria dando as boas vindas, criando mentorias, criando oportunidades não só para mulheres mas para qualquer um que queira ser criativo e realmente criando uma nova geração de artistas que se sintam capazes de realizar qualquer coisa”, completou.

Confira alguns comentários dos internautas:

Tradução: Muitas pessoas estão bravas pelo fato de apenas 11 dos 84 prêmios Grammy terem ido para mulheres. Uma estatística ainda mais preocupante é que somente um desses 11 prêmios foram concedidos durante a parte televisionada. Isso deveria ser e é revoltante.

Tradução: As mulheres têm que se mexer? Talvez as mulheres deveriam se recusar a participar da premiação no próximo ano porque, tirando algumas apresentações de alguns homens, a premiação teria sido muito chata sem elas.

Tradução: Parem! Eu apoio as mulheres! Mas os homens se destacaram esse ano. As mulheres dominaram o Grammy no ano passado. Do que vocês estão falando?

Tradução: O que vocês viram no Grammy é 1% da indústria musical. As mulheres estão aqui e são fortes. Não deixemos esse show de TV egocêntrico se tornar a voz da indústria.