Inteligência artificial ajuda mulheres a denunciar violência online

Camila Tuchlinski - O Estado de S.Paulo

Casos de assédio, sextorsão e compartilhamento não-consensual de fotos íntimas poderão ser denunciados virtualmente

Organização Think Olga, em parceria com Facebook, Google e da ONU Mulheres, cria robô para falar sobre violência contra a mulher na internet.

Organização Think Olga, em parceria com Facebook, Google e da ONU Mulheres, cria robô para falar sobre violência contra a mulher na internet. Foto: Pixabay

A organização Think Olga e o Mapa do Acolhimento, projeto do Nossas.Org, lançam uma inteligência artificial que trará uma série de conteúdos sobre segurança e informações para conscientização sobre a violência de gênero na internet.

A ação tem apoio do Facebook, Google e da ONU Mulheres e acontece durante a campanha que ocorre até 10 de dezembro.  

A ISA.bot (ISA é um acrônimo e vem das palavras "informação", "segurança" e "acolhimento") apresentará informações e recursos voltados para três diferentes públicos e situações. 

Quando a usuária escolher seguir pelo caminho de "Ajuda agora", a bot oferecerá ferramentas para mulheres que estejam sofrendo ou tenham sofrido violência online, com informações específicas para situações como o Compartilhamento Não-Consensual de Imagens Íntimas (a chamada "pornografia de vingança"), assédio, sextorsão, entre outras. 

Serão dicas, por exemplo, sobre preservação de provas e recursos como o contato do Mapa do Acolhimento, uma plataforma que conecta mulheres que sofreram violência de gênero a uma rede de psicólogas e advogadas voluntárias

Para quem escolher "Saber mais", a bot oferecerá conteúdos para quem deseja ajudar a promover uma internet acolhedora, além de dicas para ajudar as mulheres a manterem-se seguras, incluindo informações sobre como usar as ferramentas disponíveis para relatar problemas em plataformas como Facebook e Google.

 

 

A inteligência artificial oferece também um espaço seguro com conteúdos exclusivos para mulheres ativistas e que podem ser mais frequentemente alvos de ataques on e offline. As ativistas receberão uma palavra secreta que lhes dará acesso a informações e dicas adicionais, por exemplo sobre como proteger suas contas, e ferramentas para denunciar possíveis ameaças.

A ideia da bot nasceu durante um workshop criativo realizado pela Think Olga e pelo Facebook em março deste ano, quando 10 organizações de defesa aos direitos das mulheres, como a própria ONU Mulheres, se reuniram com o objetivo de pensar em ferramentas e recursos para promover uma internet mais segura para as mulheres. 

Para ativar a ISA.bot, basta chamá-la no messenger da página da ISA.bot no Facebook e também no Google Assistente. Ao somar o recurso do chat (pelo messenger) ao recurso de voz, o objetivo é ampliar o alcance e a atuação da bot, considerando que nem todas são fluentes na linguagem escrita ou digital.