Instagram foi a rede social mais usada para compartilhar 'Não é Não' durante carnaval

Redação - O Estado de S.Paulo

Twitter e Facebook aparecem na sequência de publicações sobre campanha contra o assédio sexual

A campanha 'Não é Não' tenta diminuir o número de casos de assédio no carnaval.

A campanha 'Não é Não' tenta diminuir o número de casos de assédio no carnaval. Foto: Divulgação/ Não é Não

Com 2.557 publicações contra o assédio durante o carnaval de 2019, o Instagram foi a rede social que mais compartilhou a hashtag 'Não é Não'. Os dados foram levantados pela Stilingue, plataforma de Inteligência Artificial (IA) para o idioma português, no período de 28 de fevereiro a 6 de março.

O coletivo Não é Não! lançou a campanha contra o assédio e distribuiu gratuitamente às mulheres adesivos em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Pará e Paraná. O objetivo foi transformar o corpo feminino em uma vitrine contra esse tipo de crime a falsa impressão de que na folia 'tudo é liberado'.

Depois do Instagram, as redes sociais mais utilizadas para o compartilhamento da hashtag 'Não é Não' foram o Twitter, com 22% das postagens, e Facebook, com 14%. O pico de publicações aconteceu entre os dias 1 e 2 de março. Os termos relacionados e que foram mais escritos pelos internautas foram: carnaval, assédio sexual, mulher, mulheres, bloco de rua e folia.

A plataforma de Inteligência Artificial também monitorou o engajamento de personalidades na campanha contra o assédio, como as cantoras Fafá de Belém e Maria Rita.

Atuação da cantora Fafá de Belém nas redes sociais durante o carnaval 2019.

Atuação da cantora Fafá de Belém nas redes sociais durante o carnaval 2019. Foto: Divulgação

A cantora Maria Rita também entrou na campanha 'Não é Não' durante o carnaval 2019.

A cantora Maria Rita também entrou na campanha 'Não é Não' durante o carnaval 2019. Foto: Divulgação