Inconformado com término, homem toca piano em parque até ex ir falar com ele

Redação - O Estado de S.Paulo

Luke Howard levou um piano até o College Green, na Inglaterra, e disse que iria tocar mesmo se chovesse ou se fosse preso, tudo para ganhar a atenção da ex

Após algumas horas, Howard foi atingido com um taco de beisebol e parou de tocar o piano. 

Após algumas horas, Howard foi atingido com um taco de beisebol e parou de tocar o piano.  Foto: Twitter/@doodle_beth

O inglês Luke Howard, de 34 anos, não aceitou o fim de um relacionamento de quatro meses e decidiu mostrar toda a sua inconformidade para a ex-namorada.

No último sábado, 9, o homem comprou um piano, mandou entregá-lo no College Green, um parque de Bristol, na Inglaterra, e começou a tocá-lo. "Eu estou aqui para tocar piano porque eu não sabia mais o que fazer", disse ele ao Bristol Post.

"Eu me apaixonei por uma garota incrível, estava tudo incrível e, de repente, acabou. Então, em vez de desistir, eu pensei em vir aqui e tocar piano, e eu vou tocar mesmo se chover, se nevar, se eu cair ou se eu for preso", falou.

Ao tocar o instrumento, ele esperava que a ex-namorada, a quem ele chamava de 'Rapunzel', viesse falar com ele. "Eu vou ficar aqui quanto tempo for preciso e, se tudo der certo, a garota, e ela sabe quem ela é, vai vir falar comigo e talvez poderemos ter uma nova chance", disse Howard.

No entanto, a performance não durou mais do que algumas horas. Howard foi atacado na cabeça por um homem, com "algo que se parecia com taco de beisebol", conforme contou ao Mashable. Depois, ele ainda foi chutado várias vezes até que caiu. O caso foi denunciado à polícia.

Como se tocar piano sem parar no meio de um parque já não fosse bizarro o suficiente, Howard ainda criou páginas no Facebook e no Instagram para tentar reconquistar a mulher - as páginas foram deletadas posteriormente.

Quando o Bristol Post noticiou a história em seu Twitter (e utilizou a hashtag #dedicação) as reações à atitude de Howard não foram nada positivas. Entre as pessoas que se manifestaram, está Ijeoma Oluo, uma escritora e ativista feminista.

"As mulheres não são suas propriedades. Vocês não são nossos donos. Nós não existimos para fazer vocês se sentirem melhor, mais felizes ou mais completos. Nós temos o direito de terminar, nós não precisamos de uma razão. Vocês vão ficar bem sem nós", disse ela em um post no Facebook.

O homem ainda disse que não tinha intenção de pressionar sua ex-namorada a voltar com ele. "Na matéria [do Bristol Post] está escrito que eu disse: 'Vou ficar aqui o tempo que for preciso até que ela volte para mim', mas não foi isso o que eu falei. Tudo o que eu queria era mandar uma mensagem porque eu senti que, talvez, ela não tenha percebido o quanto eu me importava com ela", falou ao Mashable.

"Eu, ingenuamente, simplesmente queria que ela visse quão profundo era meu sentimento. Eu queria mostrar-lhe, mas nunca forçá-la ou ameaçá-la", completou. 

Após a história repercutir na Inglaterra, muitas pessoas fizeram artigos sobre o caso, debatendo se gestos como o de Howard devem ser considerados como provas de amor ou como obssessão e ameaças.